Cuba. Uma mudança com novo ar geracional

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 24 Março 2012

O presidente de Cuba, Raúl Castro, realizou mudanças no governo, como um novo ar geracional ao substituir o veterano vice-presidente, José Ramón Fernández, de 88 anos, por Miguel Díaz-Canel que, com 51 anos, se consolida como uma figura política promissora. Os meios de comunicação cubanos, todos oficiais, divulgaram ontem a última mudança no gabinete do general Castro, que inclui, além disso, a nomeação de dois novos ministros – um deles mulher – à frente das pastas de Educação Superior e de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente.

A reportagem é do sítio espanhol Página/12, 23-03-2012. A tradução é do Cepat.

A mudança mais destacada é a “liberação” – segundo a terminologia oficial – do conhecido pelos cubanos como “Gallego Fernández”, um dos dirigentes históricos da Revolução Cubana e que, desde 1981, foi vice-presidente do Conselho de Ministros. Em sua longa trajetória política e militar, José Ramón Fernández dirigiu as escolas militares em que se formaram os primeiros oficiais do Exército Rebelde. Uma estratégia chave na vitória de Cuba durante a invasão da Baía dos Porcos, em 1961, e durante anos foi responsável pelo Ministério da Educação.

Desde 1997, ele também é presidente do Comitê Olímpico de Cuba (COC), organismo em que aparentemente manterá o seu cargo. Fernández continuará na vida política como assessor do presidente Raúl Castro, devido à sua “experiência”, “resultados positivos” e contribuição no setor educativo. Para substituí-lo na vice-presidência do Conselho de Ministros, Raúl Castro nomeou Miguel Díaz-Canel, até agora titular da Educação Superior. Díaz-Canel é uma das figuras mais jovens e ascendentes do atual gabinete.

Díaz-Canel é graduado em engenharia eletrônica e durante três anos trabalhou como especialista em rádio das Forças Armadas (FAR), posteriormente ocupou diferentes cargos no Escritório Nacional da União de Jovens Comunistas, na qual chegou a ser segundo secretário. Em 1993, passou ao trabalho profissional no governante Partido Comunista de Cuba (PCC), e mais tarde assumiu como seu primeiro secretário, em duas províncias. Em 2003, integrou o Escritório Político do PCC, a pedido de Raúl Castro, que era ministro das FAR, que após assumir a presidência do país, em 2009, o colocou como responsável da pasta de Educação Superior. Díaz-Canel, também deputado na Assembleia Nacional, foi confirmado no Escritório Político pelo VI Congresso do Partido Comunista, em abril de 2011.

Dentro das mudanças de ontem (22/03), o novo responsável da Educação Superior será o número dois desta pasta, Rodolfo Alarcón. Outra mudança aconteceu no Ministério de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, que passa para as mãos de Elba Rosa Pérez, que desde 2006 é a chefe do Departamento de Ciência do Comitê Central do PCC. Pérez soma-se à lista de mulheres promovidas por Raúl Castro, em cargos ministeriais, e substitui José Miyar Barrueco, de 79 anos, que passará a dirigir a nova Organização Superior de Direção Empresarial, encarregada de atender à pesquisa, desenvolvimento, produção e comercialização de medicamentos.

Os analistas consultados destacaram a “ascensão” de Días-Canel como a mais notável da nova reestruturação, porque confirma uma “tendência de renovação e substituição moderada”. Ele é uma das figuras “visíveis” mais importantes junto a Marino Murillo, também vice-presidente do Conselho de Ministros. Murillo, de 51 anos, entrou no Escritório Político do PCC em 2011, anos após Díaz-Canel, porém, antes deste, foi nomeado vice-presidente, com a responsabilidade de implementar as reformas econômicas que o governo promove para “atualizar” o socialismo cubano.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cuba. Uma mudança com novo ar geracional - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV