Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Transposição do São Francisco. Água custará dez vezes mais que a média do País

Não foi apenas o custo da construção dos canais de concreto da transposição do Rio São Francisco que aumentou. O custo da água a ser futuramente fornecida pelo projeto, após os cofres públicos desembolsarem R$ 8,2 bilhões com a obra, foi reestimado pelo governo em R$ 0,15 o metro cúbico, ou quase dez vezes o preço médio cobrado no País.

A reportagem é de Marta Salomon e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 23-03-2012.

Em dezembro do ano passado o Estado já havia divulgado que o custo da água poderia chegar a R$ 0,13 por metro cúbico apenas para o bombeamento no eixo leste, onde haverá cinco estações de bombeamento.

Por ora, o governo nega a possibilidade de subsidiar esse custo, considerado "compatível e de acordo com a capacidade de pagamento das cidades envolvidas", declarou ao Estado o Ministério da Integração. A água da transposição alcançará sobretudo centros urbanos de médio e grande porte em quatro Estados: Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

O ministério conta ainda com o fato de que parte da água será consumida por indústrias da região, ou que estão para abrir fábricas no semiárido nordestino. "Isso favorecerá a sustentabilidade financeira de operação e a manutenção do projeto", afirmou a assessoria do ministro Fernando Bezerra Coelho.

Desde antes do início da obra, já se sabia do custo elevado da água. A engenharia da transposição prevê que as águas desviadas do rio terão de ser bombeadas a uma altura de até 300 metros, o que consumirá muita energia, custo que será repassado à tarifa.

A operação do projeto deverá ser feita pelos quatro Estados beneficiados, segundo o Ministério da Integração, que abandonou a ideia de criar outra estatal para cuidar da transposição com intuito de não aumentar ainda mais os gastos públicos.

O modelo do órgão operador segue indefinido. No início das obras, o governo insistia que a água seria destinada só ao consumo humano e a animais de criação. Depois, o Ministério da Integração começou a considerar o uso para irrigação. É a primeira vez em que se fala em consumo industrial da água.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"É incrível como se anula a vontade e a existência dos donos da terra que são os indigenas. Eles ..." Em resposta a: Dilma e Aécio não consultam índios e adotam propostas contrárias aos seus direitos
"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes