Ministério do Meio Ambiente cria banco de dados do uso de água na irrigação e indústria

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Francisco fracassou?

    LER MAIS
  • Para uma espiritualidade política

    LER MAIS
  • “Francisco é o primeiro Papa que fala das causas da injustiça no mundo”. Entrevista com Frei B

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 22 Março 2012

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou na noite de terça-feira (20) uma enorme base de dados sobre o uso de água na agricultura irrigada e na indústria no Brasil. Os dados, ainda não disponíveis para acesso público, devem ajudar a aperfeiçoar a gestão dos recursos hídricos e a prever o aumento do consumo de água, segundo o MMA.

A reportagem é de Amanda Rossi e publicada pelo sítio Globo Natureza, 21-03-2012.

Intitulado “Matriz de Coeficientes Técnicos para Recursos Hídricos no Brasil”, o estudo foi encomendado pelo MMA em 2009 e conduzido pela Fundação Arthur Bernardes, com financiamento da Fundação Banco do Brasil.

Ele mapeia o gasto de água por atividade econômica e região brasileira, com detalhes inéditos. É possível saber, por exemplo, a quantidade de água usada em usinas siderúrgicas ou o consumo na irrigação de algodão em um determinado estado ou município. A análise não inclui informações de empresas específicas, porque faltam dados com este nível de detalhamento nos sistemas de informação oficiais, segundo os pesquisadores.

O uso hídrico é avaliado de acordo com três coeficientes: de retirada, referente à quantidade de água captada; de consumo, igual ao volume incorporado no produto; e de efluente, igual à porção devolvida para o meio ambiente.

Atividades

A matriz de coeficientes analisou “as atividades econômicas mais representativas do setor industrial brasileiro”. Para isso, adotou como critério as áreas que representam 90% das receitas líquidas do Brasil, conforme dados do IBGE. Também foram usados dados de associações, empresas e publicações científicas.

A fabricação de papel cartolina e papel cartão, por exemplo, retira de 10 a 46 m³ de água para cada tonelada de papel produzida, sendo que a maior parte é efluente. Já a produção de biocombustíveis retira e consume 2 m³ por tonelada de cana processada, sem gerar efluente, segundo amostra de dados divulgada pelo MMA.

Para a análise do uso da água na agricultura, a matriz usou dados do Censo Agropecuário de 2006, do IBGE e obteve o cálculo da área irrigada por cultura e por município. No total, 59 culturas irrigadas fazem parte do banco de dados, como algodão, café, cana, feijão, laranja, trigo e soja. Todos os mais de 5,5 mil municípios foram incluídos, além de regiões hidrográficas.

O MMA estuda complementar a matriz sobre a indústria e agricultura irrigada com dados de saneamento. Além disso, a pasta estuda como disponibilizar os dados para o público, por exemplo, através de uma ferramenta de consulta na internet.