Atingidos por barragens protestam na sede da Eletronorte em Brasília

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Março 2012

Centenas de atingidos por barragens de vários estados brasileiros protestam em frente à sede da Eletronorte em Brasília na manhã desta terça-feira (13). A ação faz parte da Jornada Nacional de Lutas do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que acontece em todo o Brasil.

A informação é do MAB, 13-03-2012.

O objetivo da atividade é denunciar a dívida do Estado brasileiro com os atingidos por barragens e cobrar uma resposta. Nos últimos 30 anos, o Movimento calcula que mais de 1 milhão de pessoas tiveram suas vidas transformadas devido à construção de barragens e 70% delas não receberam quaisquer tipos de compensação.

O MAB pauta a necessidade da criação de um órgão voltado especificamente para efetivar os direitos dos atingidos por barragens, com aporte de recursos que permita ao Estado o pagamento da dívida histórica com a população atingida.

“O Estado brasileiro planeja as hidrelétricas, concede as licenças ambientais, libera financiamentos públicos para construir as obras. Porém, até hoje o Estado não tem uma política de tratamento às populações atingidas”, afirma Joceli Andrioli, da Coordenação Nacional do MAB.

Outra pauta do Movimento diz respeito à renovação das concessões do setor elétrico que estão para vencer até 2015. Em uma luta conjunta com os eletricitários, o MAB se coloca a favor da renovação, pois boa parte desses recursos – que incluem geração, transmissão e distribuição, em um negócio que chega a representar R$ 30 bilhões por ano – estão nas mãos de empresas estatais e correm o risco de serem privatizados se forem feitos os leilões. Para a Coordenação Nacional do MAB, a participação dos sindicatos de eletricitários e engenheiros na defesa dos direitos dos trabalhadores e na luta contra a privatização da energia no Brasil tem sido muito importante.

Com a ação na Eletronorte, o MAB reforça a denúncia e a posição contrária à usina hidrelétrica de Belo Monte, que está sendo construída no rio Xingu, na Amazônia brasileira.

MAB cobra audiência com o governo

O Movimento dos Atingidos por Barragens já encaminhou solicitação de audiência com o governo federal para apresentação e debate de sua pauta de reivindicações.

Na quarta-feira (14), o MAB fará um ato político na Câmara dos Deputados para denunciar as violações de direitos praticadas pelas empresas do setor energético, defender a renovação das concessões e lançar uma Frente Parlamentar em Defesa dos Atingidos por Barragens. A atividade ocorre das 9h às 12h, no auditório Nereu Ramos, localizado no anexo II da Câmara dos Deputados em Brasília.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Atingidos por barragens protestam na sede da Eletronorte em Brasília - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV