Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Aldo Rebelo pede à Fifa que mude interlocutor com o Brasil para a Copa

A disputa em torno de quem manda na Copa do Mundo entre o governo brasileiro e a Federação Internacional de Futebol (Fifa) ganhou contornos decisivos nesta segunda-feira. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, enviou ontem à Fifa uma carta em que pede a saída do secretário-geral, Jérôme Valcke, da interlocução com o Brasil sobre a Copa do Mundo de 2014.

"Recebemos com espanto as inapropriadas declarações do senhor Jérôme Valcke nos últimos dias à imprensa internacional. A forma e o conteúdo das declarações escapam aos padrões aceitáveis de convivência harmônica entre um país soberano como o Brasil e uma organização internacional", diz a carta. "Diante desta realidade, o governo brasileiro não pode mais aceitar, nas suas tratativas com a Fifa, o senhor Jérôme Valcke como interlocutor durante a preparação desse mundial".

Essa foi a reação - com o aval da presidente Dilma Rousseff - à declaração dada por Valcke na semana passada de que o país precisava de um "chute no traseiro" para avançar na organização do megaevento. No Congresso, governistas endossaram a posição de Rebelo e criticaram a fala do executivo da Fifa.

"É uma declaração que merece, na verdade, que a gente dê um chute daqui para lá, de volta. E que repudie qualquer tipo de declaração deste nível em relação à organização da Copa pelo Brasil", afirmou o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS). "A maneira como o secretário-geral se referiu à preparação do mundial em nosso país se mostrou insultuosa, descuidada e inapropriada", disse o deputado Renan Filho (PMDB-AL), presidente da comissão especial que discute a Lei Geral da Copa.

A resposta de Valcke chegou no mesmo dia, horas depois da carta de Rebelo. Após ser aconselhado por pessoas ligadas à organização dos jogos no Brasil, o secretário-geral enviou pedido de desculpas ao ministro e disse que a fala foi mal interpretada. "Lamento profundamente que a interpretação incorreta das minhas palavras tenha causado tanta preocupação", disse Valcke. "Em francês, 'se donner un coup de pied aux fesses' significa apenas 'acelerar o ritmo', e infelizmente a expressão foi traduzida para o português usando palavras muito mais fortes", argumentou, na carta, o executivo.

O secretário, que tem criticado nos últimos meses o andamento das obras da Copa de 2014, afirmou que há "certamente um ar de preocupação na Fifa" com os trabalhos para a realização do megaevento esportivo e que, como responsável pela Copa no Brasil, está "sob bastante pressão". O executivo da Fifa, numa tentativa de amenizar o clima com o governo, voltou a dizer que o país "é e sempre será a única opção para sediar a Copa do Mundo 2014".

Com o embate público com a federação internacional, o governo marca a posição de que não vai aceitar a pressão da entidade privada. Hoje, os deputados fazem uma nova votação da Lei Geral da Copa na Câmara, texto considerado fundamental para o ordenamento jurídico durante o mundial de futebol. Mais uma vez, é esperada a reação dos parlamentares sobre pontos de interesse da Fifa e que vão de encontro à legislação brasileira, como a liberação da venda de bebidas alcóolicas nos estádios durante a Copa. A expectativa é que a polêmica com a federação alimente ainda mais a discussão sobre a soberania do Brasil e os poderes da Fifa durante a realização do megaevento privado no país.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste
"Sem o intenção de polemizar, discordo da colega Sônia Regina.Sou Prof. de E. Física, e creio que..." Em resposta a: “Vivemos uma hipocondria generalizada"

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes