Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Pastor evangélico ligado ao PRB assume Ministério da Pesca

No seu discurso de posse, Marcelo Crivella citou o bispo Edir Macedo, invocou a Deus, reivindicou um milagre como o da multiplicação de peixes, mas acabou revelando que irá apostar é na ciência para alavancar o setor: propôs a criação de uma Embrapa da Pesca e a formação de mais engenheiros especializados na área. Para a presidenta Dilma Rousseff, a entrada de Crivella significa o reconhecimento da importância do PRB no seu governo de coalizão.

A reportagem é de Najla Passos e publicada pela Agência Carta Maior, 02-03-2012.

A presidenta Dilma Rousseff empossou, nesta sexta (2), Marcelo Crivella como seu novo ministro da Pesca e Aquicultura. Carioca, engenheiro e pastor licenciado da Igreja Universal, Crivella foi eleito senador pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB), legenda do ex-vice-presidente José Alencar que, a partir de agora, retorna ao governo com o propósito de reforçar a base aliada no congresso.

Crivella admitiu sua completa falta de familiaridade com o tema, e se fiou em Deus para garantir que dará conta da tarefa. “Muitas vezes, Deus não escolhe os mais qualificados, mas sempre qualifica os escolhidos”, afirmou.

Ele prometeu se dedicar para que o Brasil ocupe, na pesca, o mesmo espaço que já conquistou na agricultura. “Não quero que a presidenta fique triste por ter um ministro que não entende de pesca e de colocar a minhoca no anzol. Colocar a minhoca no anzol, a gente aprende fácil. O difícil é aprender a pensar nos outros”, afirmou.

O novo ministro citou seu tio, o bispo Edir Macedo, invocou proteção divina e reivindicou um milagre bíblico, como o da multiplicação dos peixes, para garantir comida na mesa de todos os brasileiros. Mas acabou revelando que irá aposta na ciência para alavancar o setor: Crivella defendeu a criação de uma instituição de pesquisa ligada exclusivamente à área, uma espécie de “Embrapa da Pesca”.

Segundo ele, só assim será possível cumprir as metas para o setor, que incluem aumentar cinco vezes a produção da aqüicultura sustentável, gerar um milhão de empregos e dobrar o consumo per capita de pescado no Brasil. “Precisaremos de muita pesquisa para cumprir estas metas”. Crivella defendeu também a formação de pessoal qualificado para atuar no setor. “Temos apenas 1,4 mil engenheiros de pesca no Brasil, talvez aí resida uma das nossas maiores vulnerabilidades”.

A presidenta chegou a embargar a voz ao se despedir do ex-ministro, o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ) que, antes de integrar seu staff, foi seu companheiro de ministério, durante o governo Lula. “Ao longo do caminho, muitas vezes, somos obrigados a prescindir de grandes companheiros. Obrigado, Luiz Sérgio. Você foi e é um amigo e um parceiro que compreende a natureza de um partido de coalizão”, afirmou Dilma, acrescentando que a entrada de Crivella no governo é o reconhecimento da importância do PRB nesta grande coalizão que lhe ajuda a governar.

O ex-ministro destacou o potencial do setor pesqueiro brasileiro, ainda subexplorado. Segundo ele, a produção de peixes cresceu 400% nos últimos 50 anos, perdendo apenas, em números percentuais, para a de grãos. Para este ano, a estimativa é que a produção brasileira chegue a 700 mil toneladas. Luiz Sérgio ressaltou que o país precisa licenciar novas áreas de cultivo. “Se o Brasil conseguir utilizar 1% da área de todos os seus reservatórios, poderá equiparar-se à China, que lidera o ranking mundial”, afirmou.

Efeitos colaterais

Além de ampliar a participação do PRB na base aliada, a posse de Marcelo Crivella no Ministério da Pesca ajuda a melhorar a relação do governo com os evangélicos, desgastada, principalmente, após a posse da ministra-chefe da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menecucci, militante histórica do direito ao aborto.

Também poderá alterar o cenário das eleições municipais na capital paulista, onde o candidato do PRB, Celso Russomano, aparece nas pesquisas com cerca de 20% das intenções de voto, enquanto o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, ainda não decolou para além dos 5%.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium