Milton Schwantes: Um profeta da esperança

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Usada por Moro e Dallagnol, tese de alteração das mensagens está cada vez mais fraca

    LER MAIS
  • “Quem disser ‘amo a Deus’, mas odeia o irmão, é mentiroso”. Entrevista com Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Resistência política dá o tom da parada LGBT de São Paulo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Março 2012

"Agradecemos a Deus por nos ter agraciado com a vida de Milton Schwantes, por ter passado entre nós na pessoa de Milton, na sua inestimável contribuição no caminho e na trajetória de leitura popular da Bíblia, não só no Brasil, mas em toda América Latina", escreve Ildo Bohn Gass, do Centro de Estudos Bíblicos - Cebi - de São Leopoldo, RS.

Eis o depoimento.

Conheço o Milton em 1980, quando estudava Teologia na PUC-RS. E esse contato foi um impulso decisivo na descoberta da Bíblia na minha caminhada. Foi durante uma semana teológica em que Milton partilhou conosco sua análise da narrativa de Gn 11,1-9. Analisou “a cidade e a torre de Babel” como um projeto imperialista que quer impor sua linguagem, seu projeto e pensamento únicos. No entanto, o texto é resistência popular e, em nome do Deus libertador, propõe a diversidade como alternativa, dizia Milton.

Quando participava no CEBI-SUL (PR, SC e RS) nos anos 80, Milton era do Conselho do CEBI e assessorava os Cursos de Padres e Pastores. Nele, várias coisas me marcaram de modo especial: o seu testemunho, seu jeito terno de relacionar-se e seu compromisso com as lutas populares; sua leitura do texto bíblico a partir da vida de hoje e da vida de quem está por trás da Palavra; sua insistência na perspectiva ecumênica; seu estímulo para uma leitura feminista da Bíblia; seu olhar amplo sobre o texto, fazendo uma leitura sociológica, isto é, uma leitura politicamente engajada na luta pela vida; e seu projeto de articular um movimento bíblico latino-americano.

Depois, tive a oportunidade de trabalhar com ele no Curso Intensivo de Bíblia em São Bernardo do Campo/SP e em nível latino-americano. Em todo esse processo, vi de perto o quanto Milton é profeta da esperança para o povo pobre, resgatando as Escrituras no que elas têm de essencial, isto é, a centralidade do êxodo, da profecia, da prática de Jesus na promoção da vida das pessoas mais pobres.

Foi nesse caminho da Bíblia que nos encontramos, e muito aprendi desse companheiro e irmão. Por isso, agradecemos a Deus por nos ter agraciado com a vida de Milton, por ter passado entre nós na pessoa de Milton, na sua inestimável contribuição no caminho e na trajetória de leitura popular da Bíblia, não só no Brasil, mas em toda América Latina.

Nota da IHU On-Line: A revista IHU On-Line, na sua edição no. 188, 10-07-2006, publicou uma longa entrevista com Milton Schwantes, por ocasião dos seus 60 anos de vida acadêmica e pastoral celebrados na Escola Superior de Teologia - EST, aqui em São Leopoldo, sob o título "A teologia e o direito dos pobres".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Milton Schwantes: Um profeta da esperança - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV