Novo ministro é sobrinho de Edir Macedo

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • A força dos pequenos: a Teologia da Libertação

    LER MAIS
  • A crise do padre: o que compete ao ministério?

    LER MAIS
  • João Doria e arcebispo de São Paulo: “Pobre não tem hábito alimentar, pobre tem fome”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

01 Março 2012

Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, o senador Marcelo Crivella, 54, é conhecido por suas posições conservadoras.

A reportagem é do jornal Folha de S. Paulo, 01-03-2012.

Em seus dois mandatos no Senado, trabalhou por projetos ligados a valores da família e foi um dos principais integrantes da tropa de choque do governo no Congresso.

Crivella foi eleito em 2002 pelo PL com 3.243.289 votos, terminando à frente de Leonel Brizola (PDT). Em 2010, foi reeleito com 3.332.886 votos pelo PRB, derrotando Cesar Maia (DEM), entre outros.

Crivella é sobrinho do bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal. Escreveu livros religiosos e já gravou dez CDs de música gospel. Engenheiro civil, é casado há 32 anos e tem três filhos.

Em 2006, perdeu a disputa pelo governo do Rio. Também não conseguiu se eleger prefeito da capital fluminense em 2004 e em 2008.

No Senado, Crivella se envolveu em uma polêmica ao solicitar a renovação do passaporte diplomático para seu tio, o missionário R. R. Soares, fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus.

Com uma atuação discreta, foi vice-presidente da CPI que investigou convênios e patrocínios da Petrobras. Tentou impedir a aprovação da proposta que facilitou o divórcio no país, assim como fez ferrenhas críticas ao aborto e à união homossexual.

Na campanha eleitoral de 2010, Crivella foi um dos articuladores do movimento que forçou Dilma Rousseff a se posicionar oficialmente contra temas polêmicos para os religiosos, como o aborto.

Em 2004, teve seu nome envolvido no episódio em que um dos líderes da Igreja Universal admitiu o uso de laranjas - um dos quais seria o próprio senador.

Um assessor seu também foi acusado de negociar com traficantes do Rio nas eleições de 2008. Ele negou envolvimento em irregularidades.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Novo ministro é sobrinho de Edir Macedo