Cardeal Martini: ''Os homossexuais? Escuta e compreensão''

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos alemães enfrentam o Vaticano e seguem com seu sínodo

    LER MAIS
  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • Sínodo da Amazônia revela sagacidade política do papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Fevereiro 2012

Em livro, o cardeal traça o perfil que um bispo deve assumir no mundo de hoje.

A reportagem é de Orazio La Rocca, publicada no jornal La Repubblica, 22-02-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"Íntegro, honesto, leal, capaz de não mentir nunca, paciente, misericordioso, pronto a oferecer esperança a quem sofre, mas, acima de tudo, um homem verdadeiro, capaz de ouvir a todos, mesmo não crentes, separados, divorciados e homossexuais".

Esse é o perfil de identificação que o cardeal Carlo Maria Martini traça da figura do bispo hoje, "um homem da Igreja, do qual se fala muito, mas que poucos conhecem a fundo", escreve o purpurado em seu último livro, Il Vescovo [O Bispo], publicado pela Rosenberg & Sellier. Um texto breve (90 páginas apenas), mas intenso, em que o cardeal, partindo também da sua experiência pastoral na diocese de Milão, explica "o que é um bispo, como é eleito, quais são suas competências",mas em particular quais deveriam ser seus compromissos primários "na sociedade contemporânea e pós-moderna".

O purpurado fala de coração aberto, sem medo de tocar questões que poderiam irritar os membros tradicionalistas e reacionários da Igreja Católica. Como, por exemplo, quando diz que o bispo é chamado primeiramente a estar "atento aos pobres, aos encarcerados, aos doentes, aos estrangeiros", mas também a quem é obrigado a viver fora da Igreja "como os separados, os divorciados e os homossexuais". "Mesmo salvaguardando o princípio de que o matrimônio é único e indissolúvel, muitos separados e divorciados – escreve Martini – têm um novo companheiro e uma nova família com filhos. Eles devem ser ouvidos, merecem atenção, porque é como se encontrar diante dos náufragos para os quais é preciso fazer todo o possível para que não se afoguem".

O bispo de hoje deve ter a mesma abordagem – na opinião do cardeal – com relação às pessoas homossexuais, para as quais, permanecendo firme que a Escritura condena tais comportamentos, é preciso escuta e compreensão, orientando-se rumo a uma amizade espiritual: "O Espírito Santo trará conselho, caso a caso, para aquilo que é melhor para a pessoa que se tem na frente".

Outra questão delicada: a idade de aposentadoria do bispo, que, segundo Martini, "deveria ser aumentada com relação aos atuais 75 anos". Um limite que João Paulo II também queria retocar: "Foi o Papa Wojtyla que me confidenciou isso, mas depois – revela o cardeal – não o fez por um senso de respeito por uma norma desejada pelo seu antecessor, Paulo VI".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Martini: ''Os homossexuais? Escuta e compreensão'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV