Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

PNUMA recomenda revolução na governança ambiental

Uma forma completamente nova de gerenciar o planeta é urgentemente necessária para atender aos desafios da sustentabilidade global, defende o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

A reportagem é de Fernanda B. Müller e publicado pelo sítio Instituto CarbonoBrasil, 23-02-2012.

Em um novo relatóriorelatório intitulado "Foresight Report", o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) identifica e classifica as 21 questões ambientais mais urgentes, oferecendo a governos, sociedade civil e empresas análises científicas visando construir um resultado positivo para a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio +20).

O estudo envolveu 400 cientistas e especialistas internacionais durante oito meses, que, após revisarem e analisarem as questões mais críticas para o planeta e para o bem estar humano, concluíram que a mais urgente é a necessidade de alinhar a governança aos desafios da sustentabilidade global.

A segunda questão mais crítica é a necessidade de transformar a capacitação humana para o século 21 e avançar para uma economia verde e a terceira é garantir a segurança alimentar para nove bilhões de pessoas.

Outras questões enfatizadas incluem a necessidade de: reconectar ciência e política; catalisar mudanças rápidas e transformadoras no comportamento humano direcionadas ao ambiente; desenvolver novos conhecimentos sobre as interações água-superfície; acelerar a implantação de energias renováveis ambientalmente 'amigáveis'; integrar a biodiversidade ao longo das agendas ambientais e econômicas; gerenciar as consequências indesejadas da mitigação e adaptação às mudanças do clima e desenvolver uma nova abordagem para minimizar os riscos das novas tecnologias e produtos químicos.

Apesar de a comunidade científica internacional estar na vanguarda das avaliações de ameaças emergentes e da descoberta de soluções inovadoras para os desafios ambientais, o relatório enfatiza que elas precisam de maior apoio de estruturas internacionais políticas e atuantes.
Em conjunto com este relatório, o PNUMA também lançou um sumário da publicação GEO-5, sendo que o relatório completo será lançado no início de junho. Segundo Achim Steiner, subsecretário das Nações Unidas e diretor executivo do PNUMA, o GEO-5 é dedicado a todos que querem transformar o desenvolvimento sustentável da teoria para a implementação no dia a dia.

O resumo foi negociado e aprovado em 31 de janeiro por vários governos, alertando sobre a contínua degradação do ambiente global e sobre as metas internacionalmente aceitas que foram atendidas apenas parcialmente, entre elas: evitar os efeitos adversos das mudanças do clima, reduzir as taxas de desmatamento, recuperar áreas eutrofizadas e aumentar os níveis de distribuição de água.

Outra meta não atendida é a redução nas taxas de extinção de espécies: até dois terços delas está ameaçada de extinção, sendo que desde 1970 as populações de vertebrados diminuíram 30% e a degradação resultou no declínio de 20% de alguns habitats.

O documento pede aos tomadores de decisão que foquem nos condutores das mudanças ambientais, como os aspectos negativos do crescimento populacional, consumo, produção e urbanização, em vez de apenas se concentrarem na redução das pressões ambientais e seus sintomas. São apresentadas no resumo uma série de áreas prioritárias para ação, incluindo exemplos de políticas e práticas promissoras.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium