Trabalho doméstico passa por um lento processo de transformação

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • Comemoração conjunta católico-luterana: um sinal de esperança a um mundo dividido

    LER MAIS
  • Após 11 anos, FMI ronda o Brasil a convite de Meirelles

    LER MAIS
  • TSE considera hipótese de poupar Michel Temer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 21 Fevereiro 2012

Uma mão de obra cada vez mais velha, escolarizada, escassa e, consequentemente, mais cara. O trabalho doméstico passa por um lento processo de transformação, decorrente das mudanças socioeconômicas do país na última década. A tendência estatística já sugere que contar com uma trabalhadora doméstica em casa será um “luxo” no Brasil dentro de alguns anos.

A reportagem é de Alexandre Costa Nascimento e publicada pela Gazeta do Povo, 20-02-2012

Na última década, o número de trabalhadoras domésticas cresceu em proporção menor que a população, segundo estudo realizado pelo instituto de pesquisas Data Popular a partir de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a pesquisa, o país tem 6 milhões de trabalhadoras, 3% da população, que movimentam R$ 43 bilhões por ano – cifra equivalente ao Produto Interno Bruto (PIB) de Curitiba.

O rendimento médio da categoria cresceu 43,5% acima da inflação entre 2002 e 2011 – a renda média de todos os trabalhadores subiu 25% –, mas continua abaixo do salário mínimo. As domésticas com carteira assinada ainda representam apenas 28% da categoria, e ganham em média R$ 508,17, cerca de 80% do mínimo. As “sem-carteira”, 72% das profissionais, recebem somente R$ 351,43, pouco mais da metade do piso.

“O trabalho doméstico continua sendo a atividade que mais emprega mulheres no Brasil, em especial negras e pobres”, aponta a pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Luana Simões Pinheiro. Segundo ela, o Brasil ainda não vive o “sumiço” do trabalho doméstico, mas já é possível observar um acentuado processo de envelhecimento da força de trabalho. Na última década, a média de idades das trabalhadoras cresceu de 35 anos para 39 anos.

“A extinção do trabalho doméstico é um fenômeno que não está muito distante da gente. Não estão entrando novas trabalhadoras para repor as que se aposentam. As jovens e meninas de regiões mais pobres têm tido acesso a escolaridade e vão cada vez mais entrando em outras profissões. Cai a oferta de mão de obra, mas não a demanda pelo serviço. Em algumas capitais já podemos perceber o reflexo disso nos salários ou no preço das diárias”, diz a pesquisadora.

A coordenadora do Programa de Promoção da Igualdade de Gênero e Raça no Mundo do Trabalho da OIT Brasil, Márcia Vasconcelos, avalia que a redução das desigualdades sociais que ocorre no Brasil é mais lenta em relação às domésticas. “O trabalho doméstico tem invisibilidade, déficit de direitos e desvalorização. Reage de maneira mais lenta aos progressos verificados no resto da economia.”

Sai a empregada, entra a divisão de tarefas


Para Organização Internacional do Trabalho (OIT), as mudanças do perfil socioeconômico das trabalhadoras domésticas no Brasil exigirão uma readaptação das famílias na divisão do trabalho doméstico e no papel do Estado na organização social e oferta de serviços públicos. “O Brasil é muito marcado pela visão de que o trabalho reprodutivo – como os cuidados da casa, das crianças e dos idosos – é sempre terceirizado. Temos também uma lacuna de políticas públicas para o cuidado, com a falta de creches, escolas em tempo integral, restaurantes públicos. A empregada doméstica acaba sendo o fator que resolve essa equação”, assinala a coordenadora da OIT-Brasil, Márcia Vasconcelos.

Algumas famílias, entretanto, enfrentam essa nova realidade assumindo a responsabilidade sobre as tarefas de manutenção do lar. A dona de casa Neide de Oliveira Mota Kokubo conta que há anos deixou de ter uma diarista. E a questão econômica, apesar de também ter pesado na decisão, não é o fator determinante para a família, que tem renda compatível com a classe AB. “Não acho certo ter que pagar para alguém limpar a minha casa”, diz. Na casa da família Kokubo moram seis pessoas – além de Neide e o marido, a sogra, de 85 anos, dois filhos e uma nora.

De acordo com a pesquisadora do Ipea Luana Simões Pinheiro, essa nova divisão doméstica do trabalho já começa a aparecer nas estatísticas da Pnad. “As tarefas domésticas, ainda que pontualmente, começam a deixar de ser tarefa exclusiva das mulheres e donas de casa.” De acordo com a Pnad, 90% das mulheres realizam tarefas domésticas contra 50% dos homens. Enquanto elas dedicam 20 horas semanais nessas atividades, eles gastam a metade.

Constituição discrimina a classe

A discriminação social das trabalhadoras domésticas encontra amparo na própria Constituição Federal. O artigo 7º da Carta Magna assegura a todos os trabalhadores brasileiros 34 direitos fundamentais, mas o parágrafo único desse mesmo artigo dá à categoria dos trabalhadores domésticos somente dez desses direitos. Essa diferenciação exclui as domésticas de proteções básicas como férias remuneradas, 13º salário, seguro desemprego, seguro acidente, remuneração por horas extras e limite máximo de jornada de trabalho.

Ao longo dos anos alguns direitos foram garantidos com legislação infraconstitucional. E um projeto de emenda constitucional propõe a exclusão do parágrafo que restringe os direitos da categoria. “Existe uma resistência da sociedade com o argumento de que a igualdade de direitos encareceria o trabalho doméstico. É um argumento cheio de preconceitos, semelhante aos usados pelos escravagistas quando a sociedade brasileira discutia a abolição no século retrasado”, compara a pesquisadora do Ipea Luana Simões Pinheiro.

Ascensão por meio do estudo

A evolução social das domésticas vem sendo impulsionada pela elevação do grau de escolaridade dessas profissionais. O número de trabalhadoras que chegou ao ensino médio quase dobrou entre 2002 e 2011, passando de 12,7% para 23,3%. Apesar de níveis ainda baixíssimos, a proporção de empregadas com curso técnico ou superior cresceu 85%, saltando de 0,7% para 1,3%.

Ana Cristina Timóteo Silva
foi uma das trabalhadoras que teve a oportunidade de trocar a vassoura pelos livros e, posteriormente, pelas seringas. Ela faz um curso técnico de enfermagem e hoje trabalha no Hospital Evangélico, em Curitiba. “Ninguém escolhe ser doméstica por sonho. Comecei a trabalhar ainda jovem, com 17 anos, e tive que abandonar os estudos. Depois me casei, tive filhos e fui adiando o sonho de voltar a estudar”, conta Ana Cristina, hoje com 42 anos.

“Trabalhei 13 anos com a mesma família, com carteira assinada, e eles me ajudaram a estudar para ter uma nova profissão. Eles me ajudaram a pagar metade do curso”, diz. Segundo ela, o sonho de buscar uma nova qualificação ia além da questão financeira. “Existe a vontade de crescer profissionalmente e melhorar de vida”, avalia.

Mesmo trabalhando no hospital, Ana Cristina resolveu voltar a trabalhar como diarista há seis meses – justamente para a família que a ajudou com parte do financiamento do curso. Segundo ela, a soma das duas rendas representa o triplo do que ganhava apenas como doméstica. “Hoje temos casa própria, um carro financiado, computador e posso pagar dar à minha filha um estudo melhor”, conta. No Natal, a filha ganhou um iPad. “Posso dar a ela coisas que jamais tive ou imaginaria ter. A grande mudança foi possível através do estudo”, diz Ana.