Questão é 'inegociável', diz CNBB a Dilma

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Mantido o ritmo atual, Brasil levará 200 anos para levar ensino médio a todos os jovens, mostra pesquisa

    LER MAIS
  • Pro Pope Francis: carta aberta de apoio ao Papa Francisco

    LER MAIS
  • Um em cada cinco bebês que nascem no Brasil é filho de mãe adolescente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

17 Fevereiro 2012

Em carta que será enviada à presidente Dilma Rousseff, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) critica a posição da nova ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, que, no passado, defendera publicamente a descriminalização do aborto.

"Essa é uma questão inegociável", disse d. Raymundo Damasceno Assis, presidente da entidade. "A igreja defende sempre a vida, desde o começo até o seu termo natural", acrescentou d. Raymundo.

A reportagem é de Vannildo Mendes e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 17-02-2012.

Em entrevista após o encerramento da reunião mensal do Conselho Episcopal Pastoral (Consep), ele informou que não divulgará o teor da carta antes que Dilma a leia, mas disse que a posição da igreja é clara. Segundo ele, a igreja se preocupa com a maternidade precoce e a gravidez indesejável e, por isso, defende políticas públicas para mulheres em situação vulnerável. "Mas qualquer debate sobre os direitos da mulher não pode excluir os direitos do nascituro", acrescentou o religioso.

A CNBB, segundo d. Raymundo, não interfere no direito de a presidente escolher seus auxiliares e espera receber a nova ministra para um debate sobre o tema em suas instalações.

"A presidente é livre para escolher seus ministros, mas é estranho que, logo no início dos trabalhos, ela tenha abordado um tema tão discutível", disse d. Raymundo. "Há outras questões mais relevantes que precisam ser tratadas pelo governo." Eleonora está em viagem oficial a Genebra e sua assessoria não quis comentar as críticas.

Para o secretário-geral da entidade, d. Leonardo Steiner, a declaração da ministra a favor do aborto "incomodou muita gente, não só à CNBB". "Ela fez um posicionamento pessoal e depois disse que isso não era a posição do governo."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Questão é 'inegociável', diz CNBB a Dilma