Vaticano apela para a calma diante de vazamentos e escândalos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Fevereiro 2012

O porta-voz do Vaticano dirigiu um apelo à mídia na última segunda-feira, 13 de fevereiro, aos meios de comunicação. Diante de uma série aparentemente interminável de vazamentos de documentos confidenciais, o padre jesuíta Federico Lombardi convidou a imprensa a "fazer distinções cuidadosas", a não "jogar tudo junto simplesmente" e a não permitir que a realidade da situação seja "engolido em um redemoinho de confusão".

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada no sítio National Catholic Reporter, 14-02-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

As casas de apostas não abriram imediatamente uma linha sobre as chances de que a calma prevaleça, mas elas teriam que ser astronômicas.

Nos últimos dias, correspondências confidenciais relacionadas a acusações de corrupção e de clientelismo nas finanças vaticanas, memorandos internos sugerindo lacunas na novo lei papal antilavagem de dinheiro, e até mesmo uma carta anônima insinuando um complô para matar o papa criaram um frisson midiático.

Embora, em cada caso, o Vaticano tenha minimizado e até mesmo ridicularizado o conteúdo dos documentos, eles também foram forçados a admitir que os próprios documentos são autênticos.

Os comentaristas na Itália tiveram um dia cheio para especular sobre os motivos para os vazamentos. A maioria dos analistas italianos os lê como evidência de lutas de poder internas ao Vaticano, relacionadas com um pontífice idoso e uma batalha que paira sobre a eleição do próximo papa.

Na noite de segunda-feira, Lombardi divulgou um comunicado por escrito à Rádio do Vaticano, que foi imediatamente enviado aos jornalistas (Lombardi, que também é o chefe da Rádio do Vaticano, às vezes utiliza o rádio para dizer coisas que ele não quer que cheguem ao nível de uma declaração oficial do Vaticano).

"Certamente há algo de triste no fato de que os documentos internos estão sendo passados deslealmente para fora, a fim de criar confusão", disse Lombardi. "Mas a responsabilidade é de ambos os lados – de quem fornece esse tipo de documentos, mas também quem se dá ao trabalho de usá-los para fins que certamente não são o puro amor pela verdade".

Diante da tempestade na mídia, Lombardi pediu "calma, sangue frio e muito uso da razão".

Lombardi apresentou, então, dois pontos fundamentais.

Primeiro, ele argumentou que o Vaticano de Bento XVI está fazendo sérios progressos rumo à reforma, tanto na luta contra os escândalos de abuso sexual do clero, quanto na direção de uma maior transparência financeira. De fato, disse Lombardi, a atual rodada de vazamentos e de críticas são um sinal de que "alguma coisa importante está em jogo".

"Quem pensa em desencorajar o papa e os seus colaboradores nesse empenho se equivoca e se ilude", disse ele.

Quanto às tensões de bastidores que apontam para o próximo conclave, Lombardi insistiu que todos os papas eleitos no século passado foram homens de "indiscutível valor espiritual", o que sugere que os cardeais são capazes de prestar atenção ao que estão fazendo.

"A leitura em chave de lutas de poder internas", disse, "depende em grande parte da rudeza moral de quem a provoca e de quem a faz, que muitas vezes não é capaz de ver além".

Nem todo mundo na Igreja, aparentemente, captou a mensagem de Lombardi.

O bispo emérito de Ivrea, na Itália, Luigi Bettazzi, disse a um programa de rádio na segunda-feira que, dada a atual atmosfera de crise, Bento XVI poderia renunciar.

O papa parece "muito cansado", disse Bettazzi, e, diante de "todos os problemas que existem, talvez também diante das tensões que existem dentro da Cúria, ele poderia pensar que o novo papa se ocuparia com essas coisas".

Se há algum consolo para o Vaticano, pode ser que, até agora, o fascínio com aquilo que até Lombardi chamou de versão vaticana do escândalo Wikileaks parece restrita em grande parte à Itália e aos italianos.

O arcebispo Philip Wilson, de Adelaide, Austrália, por exemplo, é o presidente da Conferência dos Bispos da Austrália e um ponto de referência entre os bispos de fala inglesa em todo o mundo. Ele esteve em Roma por vários dias, para uma cúpula sobre a crise dos abusos sexuais na Universidade Gregoriana e depois para um encontro de autoridades eclesiásticas de fala inglesa chamado "Conferência Anglófona".

Eu conversei com ele na segunda-feira no Domus Sanctae Martae, o hotel de 20 milhões de dólares nas terras do Vaticano, onde os cardeais residem quando estão elegendo um papa.

Eu perguntei a Wilson até que ponto ele estava ciente do frenesi midiático ao redor dos documentos vazados do Vaticano e das percepções de guerra interna.

"Eu não sei nada disso", disse. "Eu realmente não sei. Certamente, isso não apareceu na imprensa australiana. Talvez alguém esteja enviando coisas para mim por e-mail e assim por diante, mas eu não leio essas coisas".

Será que ele – eu perguntei – detectou uma atmosfera de crise no Sanctae Martae, onde algumas autoridades vaticanas vivem e outros passam por ali regularmente?

"Não, não senti", disse ele. "Até onde eu posso ver, a vida aqui é exatamente como seria em qualquer outro momento. Ela simplesmente corre em frente. Você tem todas as pessoas do Vaticano que trabalham aqui, eles entram e saem, fazem as suas refeições, dizem oi, e assim você vai".

"A vida é normal", disse Wilson.

Infelizmente, para Lombardi, que não pode se dar ao luxo de ignorar a inclinação do Vaticano para ser varrido por novelas italianas, isso provavelmente tem a ver com direitos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vaticano apela para a calma diante de vazamentos e escândalos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV