Ativistas mostram como o celular pode 'mudar o mundo'

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Hábito não é fidelidade. Buscando entender a atitude de fechamento e hostilidade de muitos padres. Artigo de Giulio Cirignano

    LER MAIS
  • José Alberto Baldissera, professor de História. Em memória

    LER MAIS
  • Artigo do L’Osservtore Romano diz que o “principal obstáculo” a Francisco são os bispos e padres

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

11 Fevereiro 2012

No palco principal da Campus Party, a blogueira sírio-espanhola Leila Nachawati conta como o telefone móvel é uma arma fundamental na resistência contra a violenta repressão do ditador Bashir al-Assad. "Mandem celulares para a Síria!" é um dos pedidos de uma lista mostrada no telão, que inclui também se manifestar no Twitter contra o presidente russo Dmitri Medvedev (@MedvedevRussiaE) e protestar na embaixada síria mais próxima.

A reportagem é de Camilo Rocha e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 11-02-2012.

É com câmeras de celulares que os manifestantes conseguem tirar fotos e filmar onde a mídia tradicional não chega (jornalistas estrangeiros não podem entrar no país). E é através de celulares que a informação dribla o cerco da ditadura e chega ao YouTube e ao Twitter, entre muitos outros canais.

O momento ativista da Campus Party trouxe para o palco, além de Leila, o espanhol Olmo Galvéz, participante do movimento Democracia Real Ya!, e Charles Lenchner, ligado ao Occupy Wall Street.

Leila descreve horrores praticados pelo regime sírio (um ativista que filmava uma passeata teve os olhos arrancados; outro que entregou flores a um soldado foi torturado até a morte). Conta que só consegue estar em um evento como esse porque mora na Espanha. E dá exemplos que provam que a resistência tem na criatividade outra arma poderosa: mostra uma foto de adolescentes com a boca amordaçada e um cartaz praticamente todo em branco. "É para alertar que é o silêncio da maioria que permite que o regime continue no poder", explica.

O espanhol Galvez entra em seguida. Se os sírios lutam por algo tão básico quanto a democracia, ele mostra como, mesmo num país da Europa ocidental, não faltam causas para abraçar. No caso da Espanha não é preciso procurar muito: o desemprego no país está na casa dos 22%; entre os jovens é quase 50%.

Na tela do palco principal, Galvez expõe outros problemas, menos repercutidos fora do país. Com o título "A Espanha que você não vê", a apresentação lista frases como "País assolado por escândalos de corrupção", "Falta de transparência nos partidos políticos", "Mídia convencional controlada" e "147ª posição no ranking de facilidade para abrir um negócio, atrás do Congo".

Tradução

Contrastando com o estilo mais sóbrio e sério de Leila e Galvez, o americano Lenchner parte para táticas de engajamento de plateia. Inicia sua participação pedindo que levantem a mão aqueles que já participarem de uma manifestação. A maioria levanta. Depois, começa a dividi-los por causa: "Quem já fez passeata por minorias?" "Quem já falou contra a corrupção?" e assim por diante. Os braços levantados rareiam. Depois, o homem do Occupy Wall Street pede que a plateia repita frases de um slogan do movimento. A plateia não se empolga e Lenchner brinca: "Vou pensar que foi por causa da tradução".

O ativista parte para a explicação das estratégias digitais do Occupy Wall Street e exalta a importância dos agentes livres. São pessoas "como vocês", não envolvidas diretamente com a organização, mas que estão espalhando a palavra na rua e nas redes.

Ele conta que a organização encoraja todo tipo de mensagem em favor do movimento. "Nunca dizemos, 'não faça, não sabemos se vai funcionar'. Para nós, tudo tem de ser tentado." Ele exemplifica com o site We Are The 99 Percent, onde pessoas postam fotos com cartas relatando suas dificuldades. "Não tenho emprego, estou perdida, estou brava, sou 99%, nascida nesse mundo à medida em que ele desmorona", diz a mensagem de uma moça de 19 anos.

A inconstância da plateia durante a apresentação do trio sugere que a maioria dos campuseiros não está especialmente empolgada com o ativismo 2.0. "Mudar o mundo é mais excitante que qualquer jogo de computador", diz uma frase no telão, ao final da exposição de Lenchner. Muitos aqui discordariam.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Ativistas mostram como o celular pode 'mudar o mundo'