Dilma barra fantasma do aborto e pede que ministra siga só ordens de governo

Revista ihu on-line

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Mais Lidos

  • Por oito a zero, STF reafirma direitos originários dos povos indígenas

    LER MAIS
  • Vitória indígena no STF

    LER MAIS
  • Livro sobre 'escravos livres' é tão forte que obriga a olhar para o presente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

11 Fevereiro 2012

Diante do fantasma da eleição presidencial de 2010, quando o PT temeu ser derrotado por conta do debate religioso em torno do aborto, a presidente Dilma Rousseff aproveitou a cerimônia de posse da nova ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, para enquadrá-la publicamente e deixar claro que as convicções pessoais devem se subordinar, agora, às políticas de governo.

A reportagem é de Rafael Moraes Moura e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 11-02-2012.

"Tenho certeza que meu governo ganha hoje uma lutadora incansável e inquebrantável pelos direitos das mulheres. Uma feminista que respeitará seus ideais, mas que vai atuar segundo as diretrizes do governo em todos os temas sobre os quais terá atribuição", discursou Dilma.

A rápida ação da presidente foi uma forma de evitar mais polêmica e acalmar os ânimos da bancada religiosa no Congresso, que já preparou a artilharia contra Eleonora por conta de declarações dela pró-aborto. Socióloga e militante do movimento feminista, a ministra sempre defendeu abertamente suas convicções na vida acadêmica.

Assim que foi nomeada, no entanto, a nova ministra afirmou que seguirá as orientações de governo sobre o assunto e que caberá ao Congresso decidir sobre a descriminalização do aborto.

Ontem, após o claro recado de Dilma à ministra, a numerosa plateia, que até então era só aplausos, silenciou-se.

Eleonora, por sua vez, aproveitou o discurso de posse para criticar a disseminação de "padrão sexista" em salas de aula e serviços públicos de saúde e defendeu os direitos reprodutivos, sem mencionar a palavra aborto. "Não se pode aceitar que, ainda hoje, quando temos uma mulher no mais alto cargo do Executivo brasileiro, mulheres sejam vistas como meros objetos sexuais, que morram durante a gravidez, que tenham direitos reprodutivos e sexuais desrespeitados."

Em recentes declarações, Eleonora disse que considera o aborto uma questão de saúde pública, assim como o crack e outras drogas - para ela, esse assunto não é uma questão ideológica.

No dia anterior à posse, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) convocou pelo Twitter que a bancada de evangélicos se unisse "para combater a abortista que nomearam ministra".

Na campanha de 2010, pressionada por religiosos, a então candidata Dilma foi obrigada a assinar carta em que se comprometia a deixar a discussão sobre o aborto a cargo do Congresso.

Aliados de Dilma tiveram que atuar em segmentos evangélicos e católicos para deixar claro que a candidata defendia "a vida e a família" e que, se eleita, o Executivo não defenderia a descriminalização do aborto.

A socióloga Eleonora Menicucci assume a pasta no lugar de Iriny Lopes, que retorna à Câmara dos Deputados e se prepara para disputar a Prefeitura de Vitória (ES) em outubro. Antes dela, o petista Fernando Haddad deixou o Ministério da Educação para tocar a campanha pela Prefeitura de São Paulo.

Amizade

"Considero que eu escolhi a Eleonora por vários motivos, mas, sobretudo, pelo conjunto da obra", disse Dilma. "Tenho absoluta certeza que a Eleonora é capaz de assegurar, dentro da diversidade que é o nosso País, que todas as situações sejam consideradas, porque, quando nós assumimos o governo, nós governamos para todos os brasileiros e brasileiras, sem distinções políticas, religiosas ou de qualquer outra ordem."

Eleonora lembrou a trajetória ao lado de Dilma: "Nos engajamos na luta contra a ditadura militar. Engajamento que nos ensinou a lidar com as adversidades e a nunca nos omitir diante de uma situação, por mais difícil que venha a ser".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Dilma barra fantasma do aborto e pede que ministra siga só ordens de governo