Corrupção nas finanças vaticanas. A denúncia do ex-responsável Dom Viganò

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Janeiro 2012

O atual núncia da Santa Sé nos EUA e ex-secretário geral do Governatorato da Cidade do Vaticano – o governo que administra o Estado –, o arcebispo Carlo Maria Viganò, denunciou em uma carta a Bento XVI a "corrupção e má gestão" na administração vaticana, informou a imprensa italiana nesta quarta-feira, 25 de janeiro.

A reportagem é do sítio Religión Digital, 26-01-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Os jornais Corriere della Sera e Libero Quotidiano publicaram trechos dessa carta, divulgada pelo apresentador do programa Gli Intoccabili (Os Intocáveis), do canal de televisão pago La7, Gianluigi Nuzzi, que dedicou o espaço ao assunto.

Segundo Nuzzi, citado pelo Libero Quotidiano, o arcebispo italiano, de 70 anos, enviou uma carta a Bento XVI no dia 27 de março de 2011, em que se lamentava das "corruptelas e privilégios" que tinha visto depois de assumir o cargo de secretário geral do Governatorato em julho de 2009.

"Beatíssimo Padre, uma transferência minha provocaria desorientação naqueles que acreditaram que era possível sanar tantas situações de corrupção e de prevaricação há muito tempo enraizadas na gestão das diversas direções" do governo vaticano, escreveu Viganò ao papa, segundo Nuzzi.

Em outra carta, segundo o Corriere della Sera, Viganò escreve: "Jamais pensaria em me encontrar diante de uma situação tão desastrosa", que, apesar de ser "inimaginável", era "conhecida por toda a Cúria".

O arcebispo denunciou, segundo o jornal de Milão, que, no Vaticano, "trabalham sempre as mesmas empresas, com custos dobrados em relação a outras, até porque não existe nenhuma transparência na gestão dos contratos de construção e de engenharia".

Ele também denunciou, dentre outras coisas, que a Fábrica de São Pedro, que se encarrega da manutenção dos edifícios vaticanos, apresentou uma conta "astronômica" de 550 mil euros para a construção do tradicional presépio, que foi colocado na Praça de São Pedro em 2009.

Viganò também denunciou que os banqueiros que integram o chamado "Comitê de Finanças e Gestão" se preocupam mais com os seus interesses "do que com os nossos" e que, em dezembro de 2009, em uma operação financeira "queimaram (perderam) 2,5 milhões de dólares".

O prelado relatou em suas cartas ao papa que, durante a sua gestão, conseguiu que o Vaticano passasse de oito milhões e meio de déficit em 2009 para um lucro de 34,4 milhões em 2010.

Segundo Nuzzi, Viganò, com a sua política de rigor, fez muitos inimigos e, por isso, foi retirado do Governatorato e enviado como núncio (embaixador) aos EUA, cargo ao qual foi nomeado no último dia 19 de outubro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Corrupção nas finanças vaticanas. A denúncia do ex-responsável Dom Viganò - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV