Entidades da sociedade civil mexicana exigem o fim do saque do país perpetrado pelas mineradoras

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 27 Janeiro 2012

Diante da expansão das mineradoras canadenses no México e da destruição do meio ambiente que estão causando nas comunidades rurais, cerca de 20 organizações sociais exigiram o cancelamento de suas atividades. Informaram que o atual governo outorgou concessões para a exploração em 600.000 hectares.

A reportagem é de Matilde Pérez U. e está publicada no jornal La Jornada, 26-01-2012. A tradução é do Cepat.

Em frente à embaixada do Canadá no México, integrantes da Coordenação de Povos Unidos do Vale de Ocotlán, Coletivo Oaxaquenho em Defesa dos Territórios, Assembleia de Iniciativas e Defesa Ambiental de Vera Cruz, Rede Mexicana de Ação Frente ao Livre Comércio e Rede Mexicanos de Atingidos pela Mineração, entre outras expuseram que 26% do território nacional já está nas mãos de mineradoras, e dos 757 projetos, 73% são canadenses.

No caso de Oaxaca – assinalaram –, a empresa Cuzcatlán, filial da canadense Fortuna Silver, produziu violência no município de San José del Progreso, Ocotlán. É um saque o que está fazendo, pois o custo da extração por onça de prata é de 7,4 dólares, e a vende por 32,20 dólares. O projeto é extrair cinco milhões de onças do metal. Seus lucros serão de 124 milhões de dólares, dos quais nas ficará na comunidade, explicou Bernardo Vázquez, da Coordenação de Povos Unidos do Vale de Ocotlán.

Em três anos – contou –, a empresa gerou divisões e confrontos entre os moradores; nos primeiros dias deste ano foi assassinado Bernardo Méndez Vázquez. Estes são os benefícios que estas empresas estão deixando, advertiu.

Durante os protestos se falou dos casos do cerro de San Pedro e do chamado Cerro Pelón, em Real de Catorce, San Luis Potosí; da mina Caballo Blanco, em Veracruz, e de diversos casos em Michoacán, Chihuahua, Baja California, Durango, Zacatecas, Jalisco, Guerrero e Chiapas.

A exploração de minério está nos tirando a água e coloca em risco a vida comunitária. Estão saqueando o país.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Entidades da sociedade civil mexicana exigem o fim do saque do país perpetrado pelas mineradoras - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV