Medidas provisórias reduzem unidades de conservação

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • Um regime anômalo sem direção definida. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • “Sem Cerrado, sem água, sem vida”: campanha nacional em defesa do Cerrado é lançada em Brasí

    LER MAIS
  • Macri admite oficialmente que um em cada três argentinos é pobre

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

13 Janeiro 2012

Uma medida provisória publicada na semana passada (MP 588) reduz a área de quatro unidades de conservação na Amazônia brasileira e altera o contorno de outras duas. O objetivo é facilitar a construção de duas hidrelétricas do Complexo Tapajós: a São Luiz e a Jatobá.

A informação é de Karina Ninni e Alexandre Gonçalves e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 13-01-2012.

A organização não governamental WWF afirmou que o governo não poderia modificar unidades de conservação "a toque de caixa" para viabilizar as obras. A entidade afirma que não foi feita uma análise integrada do impacto ambiental.