Eficiência energética: economia de 32,2 mil GWh até 2021, equivalente a Belo Monte

Revista ihu on-line

Hospitalidade

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco. “Os cristãos devem dizer não à vida dupla. Basta de negócios sujos!”

    LER MAIS
  • “As pessoas pensam que freiras são bobinhas. Como podem escrever literatura?”

    LER MAIS
  • Como os smartphones e as mídias sociais estão mudando o cristianismo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

06 Janeiro 2012

O Brasil poderá economizar 32,2 mil gigawatts-hora nos próximos dez anos com ações de eficiência energética, o que representará 4,2% do consumo total de eletricidade previsto até o fim de 2021.De acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), esse ganho adicional de eficiência no consumo final de energia elétrica nos próximos dez anos representa uma redução no requisito de geração (carga de energia) em torno de 4,5 mil megawatts (MW) médio, volume equivalente à  energia assegurada da usina hidrelétrica de Belo Monte.A EPE estima que o crescimento médio anual da demanda total de eletricidade no Brasil, incluindo consumidores cativos, consumidores livres e autoprodutores, será de 4,5% nos próximos dez anos, passando de 472 mil gigawatts-hora (GWh) em 2011 para 736 mil GWh em 2021.

A informação é do sítio Ambiente Energia, 05-01-2012.

A expansão média do consumo anual de energia elétrica ficará um pouco inferior à da economia, já que a taxa de crescimento do PIB brasileiro está estimada em 4,7% ao ano, em média, nos próximos 10 anos.

Com a economia crescendo mais que a demanda elétrica nos próximos anos, a EPE prevê a elasticidade-renda do consumo de eletricidade inferior à unidade (0,96).  “A  consequência disto é a queda da intensidade elétrica da economia – isto é, o montante de  energia consumido para produzir um real de PIB (kWh/R$) – no horizonte decenal, sinalizando um aumento da eficiência no uso da eletricidade”, informou o órgão em comunicado.

Segundo as estimativas apresentadas pela EPE, a classe comercial deverá manter a forte demanda observada nos últimos anos e deve apresentar a maior alta (5,8% anuais, em média) entre os segmentos de consumo, saltando de 74 mil GWh em 2011 para 129 mil GWh em 2021.

No entanto, a EPE ressalta que, apesar do alto crescimento do setor de comércio e serviços, a indústria vai permanecer como a classe responsável por quase metade do consumo total de eletricidade no país. A demanda das indústrias vai passar de 225 mil GWh em 2011 para 346 mil GWh em 2021, com taxa anual de expansão de 4,4%.

Os cálculos da EPE apontam ainda que o consumo de energia elétrica pelas residências vai avançar dos 112 mil GWh em 2011 para 174 mil GWh em 2021, com crescimento anual de  4,5%.

O órgão projeta uma expansão de 6,8% ao ano, em média, da autoprodução nos próximos 10 anos, passando dos 41,5 mil GWh estimados em 2011 para 79,8 mil GWh em 2021. Com isso, a participação desta fatia da geração no consumo total de eletricidade do país crescerá dos cerca de 9% verificados nos últimos anos para 11%, aproximadamente, em dez anos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Eficiência energética: economia de 32,2 mil GWh até 2021, equivalente a Belo Monte