Um GPS para orientar nossa presidenta

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 22 Dezembro 2011

“Senhora presidente, se a senhora esta pensando em distribuir cisternas de plástico, porque acha que as que deveriam ter sido construídas não foram, temos como lhe provar isso em muito pouco tempo”. O comentário é de Pedro Costa Guedes Vianna, professor de Cartografia e Recursos Hídricos do Departamento de Geociências da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Eis o artigo.

Nesta segunda-feira, 19 de dezembro, a aluna Cristhiane Fernandes de Araújo, defendeu seu projeto final de curso, depois de 5 anos na Universidade Federal da Paraíba-UFPB. Seu trabalho intitulado: “Mapeamento das Tecnologias Sociais Hídricas, nos Municípios de Juazeirinho e Soledade – Paraíba”. Foi aprovada, elogiada e com isso obteve o titulo de Geógrafa, mas o mais importante é que ela provou, por A+B, ou por coordenadas geográficas,  que  é  possível  mapear   as  cisternas  do   Programa Um milhão de Cisternas com custo muito baixo.

Cristhiane apenas utilizou um computador simples com conexão na internet, ferramentas gratuitas disponíveis na internet, o conhecido Google Earth, e dois aparelhos simples GPS (que custam R$ 800,00 cada), fornecidos pela UFPB.  Mapeou as cisternas nas imagens gratuitas e depois, com 3 de seus colegas de curso, percorreu estes municípios no semiárido paraibano, marcando com os GPS as cisternas previamente identificadas e mapeadas nas imagens Google Earth.

Depois com simplicidade, montou uma tabela e descobriu que as diferenças médias das coordenadas em ambos os sistemas não superavam o diâmetro da cisterna. A cisterna de 16.000 litros do Programa 1MCR tem um diâmetro de 3,2 metros e a diferença média encontrada entre as duas medidas foi de 2,18 metros. Ou seja, o mapeamento é seguro matematica e geograficamente. Estes dados são possíveis devido a algumas peculiaridades das cisternas: sua forma circular, sua cor branca, sua proximidade com as casas, e particularidades da região semiárida como uma vegetação aberta, arbustiva e de pouca densidade foliar.

Isso quer dizer o que afinal de contas? Quer dizer que se o Governo Federal e a Presidente Dilma quiserem podem fiscalizar, acompanhar e constatar diretamente de seus escritórios, as cisternas tal qual estão construídas hoje. Se quiserem podem também contratar qualquer grande empresa de auditoria, destas que tem como consultores grandes doutores, com currículos acima de qualquer suspeita, que nós fornecemos a metodologia utilizada pela Cristhiane, afinal somos uma Universidade pública.

Ainda se desejar, pode dispor da rede de Universidades públicas brasileira, onde milhares de estudantes dos cursos de Geografia, Engenharia, Geologia, Arquitetura, Biologia e outros mais, usuários comuns dos instrumentos cartográficos encontrados no Google Earth e no sistema GPS, poderão em poucos dias comprovar irrefutavelmente a existência ou não das mais de 370.000 cisternas que as Organizações responsáveis pelos Programas até hoje, afirmam existir.

Senhora presidente, se a senhora esta pensando em distribuir cisternas de plástico, porque acha que as que deveriam ter sido construídas não foram, temos como lhe provar isso em muito pouco tempo.

De posse de um simples GPS, um computador com internet e de senso público, nossa presidente pode se orientar e não cometer um erro estratégico. Erro este, que pode levar à região semiárida e sua população, sede, miséria a dependência hidro-eleitoreira.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um GPS para orientar nossa presidenta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV