Crianças africanas colhem o algodão da Victoria’s Secret

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • O cardeal Burke inicia a cruzada contra o Sínodo sobre a Amazônia, com base em um documento herético

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 20 Dezembro 2011

O pesadelo de Clarisse Kambire quase nunca muda. É de dia. Em um campo de algodão que explode em flores cor púrpura e branca, um homem se inclina sobre ela brandindo um pau sobre sua cabeça. Então retumba uma voz, que acorda a Clarisse do sonho e faz com que seu coração dê um pulo: “Levanta-te!” O homem que lhe ordena levantar-se é o mesmo que aparece no sonho da adolescente de 13 anos: Victorien Kamboule, o agricultor para o qual trabalha em um campo de algodão na África ocidental. Clarisse ajudou a cavar mais de 500 sulcos, munida apenas dos seus músculos e de uma enxada, que substituem o boi e o arado que o produtor não consegue comprar. Se ela for lenta, Kamboule a chicoteia com uma vara.

A reportagem é de Cam Simpson e está publicada no jornal espanhol El País, 17-12-2011. A tradução é do Cepat.

Esta é a segunda colheita de Clarisse. O algodão da primeira colheita passou por suas mãos para os caminhões de um programa de Burkina Faso que trabalha com algodão certificado como comércio justo e que, por conseguinte, deveria estar livre de semelhantes práticas. A fibra dessa colheita depois foi para fábricas na Índia e no Sri Lanka, antes de serem empregadas em lingeries da Victoria’s Secret – como os shorts com estampado zebra que são vendidos por 8,5 dólares em uma loja de lingeries de Chicago. “Fabricado com 20% de fibras orgânicas da Burkina Faso”, pode-se ler na etiqueta da roupa.

Plantada quando Clarisse tinha 12 anos, toda a colheita orgânica de Burkina Faso da última temporada foi comprada pela Victoria’s Secret, segundo Georges Guebre, líder do programa nacional orgânico e de comércio justo, e Tobias Meier, responsável pelo comércio justo na Helvetas Swiss Intercooperation, ONG que criou o programa e que contribuiu para a comercialização do algodão por parte de compradores globais. Meier disse que, em princípio, a Victoria’s Secret ficaria também com a maior parte da colheita orgânica deste verão.

Como sócia da Victoria’s Secret, a organização de Guebre, a Federação Nacional de Produtores de Algodão de Burkina Faso, é responsável por todos os aspectos do programa orgânico e comércio justo em Burkina Faso. Conhecida por suas iniciais francesas, a UNPCB (Union Nationale des Producteurs de Cotton du Burkina Faso), em 2008, copatrocinou um estudo no qual se indicava que centenas, talvez milhares, de crianças como Clarisse poderiam ser vulneráveis à exploração por parte de produtores e da Helvetas. A Victoria’s Secret diz que nunca viu esse relatório.

Uma executiva da matriz da Victoria’s Secret disse que a quantidade de algodão que a empresa compra de Burkina Faso é muito pequena, mas que leva a sério as acusações. “Nossas normas proíbem especificamente o trabalho infantil”, disse Tammy Roberts Myers, vice-presidente de comunicações externas da Limeted Brands Incorporated. “Estamos energicamente empenhados em investigar a fundo esta questão com as partes interessadas”.

O trabalho de Clarisse coloca em evidência as deficiências do sistema para certificar como comércio justo matérias-primas e produtos acabados em um mercado global que cresceu 27% em um ano até mais de 5,8 bilhões de dólares em 2010. Esse mercado se funda na noção de que as compras realizadas por empresas e consumidores não devem tornar estes cúmplices da exploração, sobretudo de crianças.

Em Burkina Faso, onde o trabalho infantil é endêmico, pagar sobrepreços lucrativos pelo algodão de comércio justo criou novos incentivos para a exploração. O programa atraiu agricultores que dizem não ter recursos para cultivar algodão com certificação de comércio justo sem violar um princípio central do movimento: obrigar crianças a trabalharem em seus campos.

Em propriedades menores como a de Kamboule espalhadas por todo o país, investigadores patrocinados pela federação de produtores constataram em 2008 que mais da metade dos 89 produtores pesquisados têm 90 menores que trabalham temporariamente e que não vão à escola. “Não, não nos disseram nada sobre crianças”, justificou Louis Joseph Kambire, de 69 anos, um robusto produtor de comércio justo que faz parte da comissão de auditoria da cooperativa Benvar, a aldeia de Clarisse.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crianças africanas colhem o algodão da Victoria’s Secret - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV