Fundo do poço já passou, afirma Mantega

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • “O PT não defende a causa da esquerda. Nem a do país”. Entrevista com Ruy Fausto

    LER MAIS
  • “A Reforma Trabalhista é a vitória do Brasil colônia sobre o Brasil do desenvolvimento”

    LER MAIS
  • O que é a esquerda hoje. Artigo de Atawallpa Oviedo Freire

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

18 Dezembro 2011

A economia brasileira chegou ao fundo do poço em outubro e voltou a crescer em novembro e dezembro. A afirmação é do ministro da Fazenda, Guido Mantega. Em entrevista exclusiva ao Grupo Estado, Mantega garantiu que "não há nenhum risco" de o País registrar neste ano a chamada recessão técnica, caracterizada por dois trimestres seguidos de queda do Produto Interno Bruto (PIB).

A notícia é do jornal O Estado de S. Paulo, 18-12-2011.

No terceiro trimestre, o PIB ficou estável em relação ao segundo, mas tanto a indústria quanto o setor de serviços apresentaram recuo. O ministro reconheceu que a expansão deste ano - estimada pelo mercado em cerca de 3% - ficará abaixo da meta do governo, de 4% a 5%. No entanto, disse ele, o crescimento ficaria próximo de 4% se a crise externa não tivesse se agravado tanto. "É um número excelente para primeiro ano de governo, quando sempre há um ajuste."

Para 2012, ele projeta uma alta do PIB entre 4% e 5%. O nível exato vai depender justamente da evolução da crise. Segundo Mantega, o País tem alguns fatores para garantir pelo menos 4% de expansão em 2012. Um deles é a taxa de câmbio mais "competitiva" para a indústria.

A esse respeito, aliás, o ministro é claríssimo. "Nós não vamos permitir que o câmbio se valorize como vinha se valorizando", afirmou. "Não vamos deixar o dólar (se aproximar de novo de R$ 1,60)."

Os outros fatores que, segundo ele, permitem apostar em um crescimento do PIB superior ao deste ano são a redução da taxa básica de juros (Selic), a reversão das medidas prudenciais para estimular o crédito, o aumento do salário mínimo e investimentos, como o Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC 2) e o programa Minha Casa, Minha Vida.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Fundo do poço já passou, afirma Mantega