Jovens de 10 a 14 anos chefiam 113 mil lares

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Dezembro 2011

O número de lares chefiados por crianças e adolescentes no Brasil dobrou na última década, informa relatório do Fundo das Nações Unidas para a Criança (Unicef). Atualmente 661 mil casas são chefiadas por jovens entre 15 e 19 anos e outras 113 mil, por meninos e meninas de 10 a 14 anos. Os exemplos de lacunas de assistência para jovens entre 12 a 18 anos são encontrados em outras áreas. Apesar de a pobreza extrema ter caído entre a população em geral, entre adolescentes subiu de 16,3% para 17,6%.

A reportagem é de Lígia Formenti e de Rafael Moraes Moura e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 01-12-2011.

Lançado ontem em Brasília, o documento reúne dados de educação, saúde, violência e trabalho para demonstrar as barreiras enfrentadas por boa parte de meninos e meninas de 12 a 18 anos. O homicídio, por exemplo, é a primeira causa de morte nesta fase da vida. Em média, 11 adolescentes entre 12 a 17 anos são assassinados por dia no Brasil.

Essa maior vulnerabilidade não afeta os 21 milhões de adolescentes - o equivalente a 11% da população brasileira - da mesma forma. O impacto muda de acordo com sexo, cor da pele, condição pessoal e onde se vive. A maior parte dos 500 mil adolescentes analfabetos é composta por meninos: 68,4%.

"Nosso relatório quer desconstruir o preconceito de ver a adolescência como problema, quando na verdade o problema não é o adolescente, é o contexto onde ele nasce, cresce, vive", afirmou a representante do Unicef no Brasil, Marie-Pierre Poirier. "O principal desafio é quebrar o ciclo infernal da pobreza. Uma pessoa que cresce numa família pobre e é adolescente pobre tem menos chance de chegar à vida adulta com oportunidades e opções de vida. A situação de pobreza acaba se renovando."

O relatório mostra que políticas inovadoras voltadas para adolescentes no Brasil não alcançam populações vulneráveis, são descontinuadas e feitas de tal forma que mais se assemelham a projetos-piloto.

Apesar dos problemas, o levantamento constata que 8 de 10 indicadores analisados tiveram, entre 2004 e 2009, uma expressiva melhora, como a redução do analfabetismo e do número de adolescentes que trabalham. Para o Unicef, é preciso colocar em prática políticas que garantam direitos dos adolescentes, assim como ocorreu nos últimos anos em relação à universalização dos direitos das crianças.

Caso contrário, avisa, a agenda permanecerá inacabada e todo avanço realizado nos primeiros 10 anos de vida, como vacinação e acesso ao ensino fundamental corre o risco de se diluir. Para o programa, medidas devem ser implementadas em parceria com próprios adolescentes

Dificuldades

Ana Claudia Castro, de 18 anos, e Paulo Roberto Francisco Júnior, de 20 anos, moram com o filho, João Vitor, de 8 meses, em uma casa cedida pela mãe dela quando a gravidez, sem planejamento, foi anunciada. O casal se sustenta com o salário de R$ 700 que ele recebe como repositor de estoque num supermercado de Guararapes (SP).

"A gravidez emperrou meus planos. Eu estava no 3.º ano do ensino médio, trabalhava numa farmácia e queria ser veterinária, mas daí veio meu filho e, com ele, o casamento", conta Ana Claudia, que nasceu quando sua mãe tinha 16 anos. "Farei de tudo para que meu filho não seja um pai adolescente."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jovens de 10 a 14 anos chefiam 113 mil lares - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV