Em 2014, Classe C já será 58% da população

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Outra carta dos quatro cardeais ao Papa. Agora pedem uma audiência

    LER MAIS
  • O que resta do padre?

    LER MAIS
  • ‘Temos um pacote do veneno tramitando no Congresso Nacional’, alerta procuradora

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

09 Novembro 2011

A expansão da classe C no País deve continuar a ocorrer em ritmo acelerado. De acordo com estudo elaborado pelo instituto Data Popular, 58% da população pertencerá à classe C em 2014. Hoje, 54% dos brasileiros se enquadram nesse estrato social que, segundo critérios do levantamento, reúne famílias com renda média de R$ 2.295.

"Os padrões de consumo dessa nova classe C não serão iguais aos de hoje. Há uma mudança em andamento", avisa Wagner Sarnelli, sócio do Data Popular, especializado em pesquisas de consumo. "Portanto, a empresa que quiser vender para esse público deve entender bem seus códigos e seus valores para se comunicar corretamente."

A reportagem é de Carolina Dallolio e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 09-11-2011.

Sarnelli foi um dos participantes do 1.º Encontro Estadão PME. Direcionado a pequenos e médios empresários, o evento foi realizado ontem em São Paulo e contou com a participação de analistas econômicos e empreendedores de sucesso. Cerca de 180 pessoas acompanharam os quatro módulos do encontro.

Na primeira etapa, os palestrantes discutiram as perspectivas de desempenho da economia para 2012. O otimismo deu o tom das análises. "Caso haja um agravamento da crise na Europa, o impacto poderá ser sentido pela economia brasileira. Mas este não me parece o cenário mais provável", afirmou Caio Megale, analista econômico do Itaú.

O Brasil, na visão de Megale, também está mais preparado para enfrentar eventuais problemas. "Em 2008, quando houve a quebra do banco americano Lehman Brothers, a economia brasileira seguia a 120 quilômetros por hora. Hoje, a velocidade é de 70 quilômetros por hora. Portanto, qualquer pisada no freio teria um impacto menor."

Por considerar que o desempenho da economia brasileira não deve sofrer alterações bruscas no próximo ano, José Luiz Rossi Junior, professor do Insper, recomendou aos pequenos e médios empresários que mantenham os investimentos programados. "Não há motivos para as empresas reverem suas decisões", declarou o professor.

"Enquanto o consumo interno mostrar força, os pequenos e médios negócios não sentirão impactos bruscos em seu faturamento", completou Bruno Caetano, superintendente do Sebrae de São Paulo.

Histórias de sucesso

No segundo módulo do evento, Antonio Carlos Carbonari Netto, fundador da Anhanguera Educacional, narrou sua trajetória empresarial e deu dicas aos participantes do evento. "É preciso ter foco e saber identificar as oportunidades", ensinou o empreendedor.

Por constatar que os estudantes das classes C e D não frequentavam as universidades por falta de recursos, o empresário decidiu criar uma faculdade que oferecesse cursos baratos, com foco na formação de mão de obra para o mercado de trabalho.

Carbonari deu conselhos pragmáticos. "Retenção de talentos nas empresas se faz com muito carinho e dinheiro", sentenciou.

Mas também não escondeu suas falhas e fragilidades. "Meu principal erro foi achar que era dono da empresa", disse. "O empresário deve ter uma postura de gestor, e não de dono, porque o dono tende a imprimir uma gestão caseira."

Carbonari admitiu ainda que, até hoje, sente medo. "Empresário tem medo porque raciocina na frente e enxerga o perigo. Ter medo é bom, mas é preciso controlá-lo."

O terceiro módulo do evento tratou de segmentação. Sarnelli, do Data Popular, e Gabriela Otto, professora de marketing de luxo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), falaram sobre as oportunidades que o mercado popular e o segmento de luxo oferecem para as pequenas empresas.

"Os pequenos negócios dirigidos ao mercado de luxo devem apostar na valorização da cultura local como forma de diferenciação", sugeriu Gabriela.

O evento terminou com o depoimento de Ivani Calarezi, sócia da rede Amor aos Pedaços. A empresária contou que, até hoje, continua a testar receitas. "Mesmo que elas não se transformem em produtos, eu gosto de continuar criando coisas novas", disse. Ivani finalizou a apresentação com uma observação simples, mas preciosa: "Quem ouve o cliente está no caminho certo"

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Em 2014, Classe C já será 58% da população