Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social debate ações para os próximos três anos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta! Manifesto de juristas contra o governo Bolsonaro

    LER MAIS
  • “Deus, Pátria e Família”: um retorno ao futuro dentro da globalização

    LER MAIS
  • ‘Se os partidos não se organizam, o povo vem para a rua’, diz fundador da Gaviões da Fiel

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Novembro 2011

O Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social está com seus parceiros e colaboradores em Brasília, desde ontem, 31, planejando seus projetos para os anos de 2012 a 2014. Além disso, estão avaliando os projetos desenvolvidos desde o ano passado. A Reunião Ampliada do Fórum acontece no Centro Cultural Missionário (CCM), e recebe 30 parceiros, representantes dos regionais, além do seu bispo referencial, dom Pedro Luiz Stringhini.

A notícia é do Boletim da CNBB, 01-11-2011.

Segundo dom Stringhini, o Fórum Mudanças Climáticas tem atuado de maneira a pressionar os governantes sobre o avanço das mudanças climáticas no país, além de apoiar a parcela da sociedade já atingida por esses fenômenos, que são intensificados pela ação humana.

“O Fórum serve para reflexão de diversos organismos da sociedade civil. Dialoga com o Governo e com o povo. O Fórum, por sua natureza, tem um posicionamento crítico, pois o Governo é atrelado a setores diversos, grandes empresários, de todos os ramos, gente interessada em assuntos particulares. Nós estamos interessados no bem do planeta e na preservação das matas e florestas, na boa aplicação dos recursos e na imediata ação contra as mudanças do clima”, afirmou dom Pedro Stringhini.

O Fórum Mudanças Climáticas faz parte da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, Justiça e da Paz, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Para o assessor da Comissão, padre Ari Antônio dos Reis, o Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social pode ser classificado por três palavras: Atenta, “pois o Fórum é atento aos movimentos climáticos globais, que já estão a tempos atingindo o nosso planeta”; Diálogo, “porque dialoga com os impactados e atingidos por atividades proporcionadas pelas mudanças climáticas, que estão modificando suas vidas”, e por fim, Enfrenta, “já que é uma das poucas instâncias que lutam, enfrentam e batem de frente com todas as esferas de governo buscando a reversão dessas mudanças que estão ocorrendo”, afirmou o padre Ari.

Código Florestal

Segundo o bispo referencial do Fórum, dom Pedro Stringhini, o Fórum e seus parceiros estão atentos ao movimento de mudança do texto do novo Código Florestal que está em debate no Senado Federal.

“Estamos de olho e pretendemos ajudar, como especialistas em mudanças climáticas. O Fórum olha com perplexidade e lamenta que as sugestões da CNBB tenham sido rejeitadas pelo Congresso na modificação do texto do novo Código Florestal. O Fórum quer ser um instrumento de auxílio neste processo de mudança, como está sendo a Campanha da Fraternidade desde ano que trata justamente do meio ambiente, com o tema Fraternidade e a Vida no Planeta. Então o Fórum está disposto a contribuir com a CNBB para que haja mais pressão para a modificação deste texto”, ressaltou dom Stringhini.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social debate ações para os próximos três anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV