O papa da autocrítica e da purificação

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Outubro 2011

O encontro de Assis de 2011, assim como o de 1986, passará para a história.

A opinião é do jornalista espanhol José Manuel Vidal, editor do sítio Religión Digital, 27-10-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Belíssima e profunda Jornada pela paz em Assis! Era palpável a sintonia religiosa, a comunhão em Deus. No Deus dos diferentes, mas, ao mesmo tempo, unos e irmãos. Com um manifesto pela paz coral, belo e emocionante e comprometido. No clima de profunda oração. E com um papa anfitrião humilde, que não queria se destacar e que foi capaz de dar uma bela lição de teologia espiritual, sem poupar a autocrítica e o apelo à purificação. Chegou a dizer que sente "vergonha" da violência religiosa ou em nome de Deus.

Papa deu em Assis mais uma de suas lições magistrais. Com enorme capacidade didática (incluindo resumos de suas ideias). Ele começou com a lembrança do seu amada antecessor, em seu encontro de Assis há 25 anos, que fez história. Era outra época: a dos blocos e do Muro de Berlim. Uma época que foi derrubada, segundo o Papa Ratzinger, pela falta de liberdades. E também da liberdade de acreditar.

Do ontem do Papa Wojtyla ao hoje do Papa Ratzinger. E no hoje a violência não desapareceu, tendo adotado diversas formas. O papa se aprofunda em dois tipos de violência fundamentais: o terrorismo e o ateísmo.

Do primeiro, sobretudo daquele que tem raízes religiosas, ele se envergonhou. E aproveitou a ocasião para propôr, em forma de perguntas, as críticas que os ilustrados fazem à religião. Em definitivo, acusando-a de ser promotora de ódio e de violência. Eles têm razão?, se pergunta o papa. E responde que "a violência não é a verdadeira natureza da religião". E, quando a religião provoca violência, ela se desnaturaliza, perde seu ser. É uma vergonha. Precisa de purificação para se converter em instrumento de paz.

O segundo tipo de violência atual é o ateísmo. E, para rebatê-lo, o papa realiza uma equação: é verdade que a religião desnaturalizada produziu violência, mas o ateísmo de Estado, ainda mais. E cita os campos de concentração. Junto ao ateísmo de Estado, está o ateísmo individual, o do "ter e poder", pelo qual "o homem destrói a si mesmo".

Além dos religiosos e dos ateus, o papa aponta para uma terceira categoria de pessoas: os agnósticos. Os que "buscam a verdade". A alguns deles, como o professor mexicano Hurtado, o papa convidou pessoalmente ao encontro de Assis. E recriminou aos religiosos pelo fato de que, se, às vezes, os agnósticos buscadores não encontram Deus, é culpa dos próprios crentes.

E a lição terminou com um "agir", depois do ver e do julgar. No compromisso, o papa convidou a caminhar juntos pela causa da dignidade da pessoa e da paz. E, concretamente, prometeu que "a Igreja Católica não cessará a luta contra a violência, em seu compromisso pela paz no mundo". Amém.

Um encontro, o de Assis de 2011, que, como o de 1986, passará para a história.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O papa da autocrítica e da purificação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV