Aécio Neves pode pagar a conta dos rebaixamentos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Outubro 2011

"O Mineirão foi entregue à Minas Arena, uma empresa privada que, por contrato feito com o governo Aécio, explorará o estádio por 25 anos e  que cobrará alto para alugá-lo quando lá os dois grandes – Cruzeiro e Atlético – atuarem". O comentário é do jornalista Juca Kfouri em seu blog, 19-10-2011.

Eis o artigo.

À medida que aumenta o risco das quedas de Cruzeiro e Galo, começam, também, algumas manifestações de desagrado de torcedores dos dois grandes mineiros em relação à ausência do Mineirão e atraso da entrega do estádio Independência, que estava programado para substituí-lo.

E o débito já está sendo lançado na conta de Aécio Neves, não apenas pelo enorme atraso da reforma no Independência como, também,  por causa de histórias que começam a aparecer, contadas até por aliados dele que precisam tirar pelo menos parte do corpo fora de um eventual rebaixamento.

Há indignação, por exemplo, em relação à maneira pela qual, quando ainda governador, em 2005, Neves tirou da cabeça dos Perrelas a ideia de construir um estádio para o Cruzeiro em Nova Lima, na grande Belo Horizonte, em parceira com o grupo português Espírito Santos.

O atual senador tucano de Minas Gerais, ao lado, por sinal, de Zezé Perrela que ele inventou como suplente do falecido Itamar Franco, prometeu então que o Mineirão seria entregue ao Cruzeiro e ao Galo para um tipo de cogestão semelhante ao que fazem Inter e Milan como o estádio de Milão, ora San Ciro,  quando lá jogam os rosso-neros, ora Giuseppe Meazza, quando jogam os nerazurri.

O Cruzeiro desistiu de seu grande projeto e agora vê que o Mineirão foi entregue à Minas Arena, uma empresa privada que, por contrato feito com o governo Aécio, explorará o estádio por 25 anos e  que cobrará alto para alugá-lo quando lá os dois grandes atuarem.

E, é claro, o que mais incomoda os torcedores é a situação desesperadora dos times, que ora jogam em Sete Lagoas, ora em Ipatinga, ora em Uberlândia, mas nunca em BH.

E está dando no que está dando.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aécio Neves pode pagar a conta dos rebaixamentos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV