Quando Bush ignorou a carta de Wojtyla contra a guerra no Iraque

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS
  • Massacre de Paraisópolis é a falta do reconhecimento da cultura periférica, diz Raquel Rolnik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Setembro 2011

Em 5 de março de 2003, João Paulo II enviou o cardeal italiano Pio Laghi para que se encontrasse com George W. Bush e para que lhe pedisse não invadir o Iraque, mas o líder dos Estados Unidos recusou o pedido, dizendo que estava "convencido" de que era "a vontade de Deus".

A reportagem é de Gerard O’Connell e está publicada no sítio Vatican Insider, 21-09-2011. A tradução é do Cepat.

Uma fonte muito próxima dos fatos da época, mas que prefere permanecer anônima pelo posto que ocupa, me contou o fato e a manteve com o cardeal italiano em privado.

Recordou que o Papa polonês definiu a invasão militar como uma "aventura", advertindo que a guerra teria graves consequências para os dois países e para o mundo inteiro. Disse que o Papa escolheu Laghi para realizar a missão tão delicada porque era amigo de Bush e na esperança de que o ouviria.

Um dia antes do encontro com o presidente Bush, o cardeal teve que conversar os funcionários do Departamento de Estado dos Estados Unidos, porque o presidente queria saber do que se trataria no encontro com o cardeal. Laghi foi interrogado pela então Conselheira para a Segurança Nacional, Condoleeza Rice. De acordo com a fonte, falaram "com muita clareza e franqueza".

No encontro do dia seguinte, quando o cardeal foi recebido pelo presidente, estiveram presentes a Condoleeza Rice, outros membros do Conselho de Segurança Nacional, o General Peter Pace, o vice-presidente do Estado Maior, Jim Nicholson, o embaixador dos Estados Unidos na Santa Sé e o arcebispo Gabriel Montalvo, núncio pontifício.

Assim que o cardeal entrou, segundo a fonte, entregou a carta do Papa João Paulo II ao presidente, "que a colocou imediatamente em cima de uma mesinha sem que a abrisse ou a lesse".

Depois, o presidente se pôs a falar a favor da guerra. Disse ao cardeal mensageiro que ele, o presidente, estava convencido de que era "a vontade Deus", e tratou de convencer o convidado pontifício de que a guerra era a coisa mais acertada.

Depois de alguns minutos daquilo que o cardeal definiu como "sermão", a fonte afirmou que Laghi interrompeu o presidente Bush para lhe dizer: "Senhor presidente, vim aqui para falar com você e para lhe entregar uma mensagem do Santo Padre; queria que me ouvisse".

O cardeal Laghi teria dito a Bush que poderiam acontecer três coisas, caso os Estados Unidos invadissem o Iraque, declarou a fonte. Primeira: o conflito causaria muitas vítimas e feridos de ambos os lados. Segunda: se produziria uma guerra civil. Terceira: os Estados Unidos poderiam facilmente começar a guerra, mas teriam muita dificuldade para sair dela.

Disse ao presidente que com a paz não se perde nada, mas que com a guerra se criaria uma enorme desordem, especialmente no mundo árabe.

Também disse ao presidente Bush que "a questão mais importante" no Oriente Médio é o conflito entre os palestinos e os israelenses. Deve encontrar uma solução se queremos a paz, declarou a fonte.

Ao final do encontro, que durou 40 minutos, o presidente disse a Laghi: "não estamos de acordo sobre o Iraque, mas estamos de acordo sobre outras questões importantes para a Igreja católica e o Santo Padre".

Segundo a fonte, o cardeal respondeu: "Sim, os valores a favor da vida e da família são muito importantes, porque se baseiam nos princípios da lei natural, nos direitos humanos e no Evangelho. Mas, Senhor presidente, eu vim aqui para lhe pedir que não faça a guerra, porque é outro valor que se baseia nos mesmos princípios".

O cardeal Laghi se deu conta de que o presidente já estava decidido, afirmou a fonte. E a confirmação veio imediatamente com o General Pace, quando acompanhou o cardeal até seu carro. Despediu-se dele e, quando lhe deu a mão, lhe disse: "Sua Eminência, não tenha medo. Faremos tudo rapidamente e da melhor forma possível".

Nesse momento, "Laghi soube que havia fracassado em sua missão, mas também se deu conta de que o governo de Bush não estava a par das consequências da guerra", afirmou a fonte.

Lembrou que os jornalistas estavam esperando o cardeal fora da Casa Branca para entrevistá-lo, mas os funcionários não o permitiram. A reunião com os jornalistas tinha que ser rápida e em qualquer outro lugar, longe da Casa Branca.

No dia seguinte, dia 14 de março, quando se soube que a Administração havia impedido os meios de comunicação de entrevistarem o cardeal, um representante do Departamento de Estado telefonou ao Laghi (que estava na Nunciatura de Washington) e lhe pediu que esclarecesse que não o haviam proibido de dar declarações aos jornalistas na Casa Branca. Mas o cardeal Laghi respondeu: "São vocês que têm que prestar esclarecimentos, porque foram vocês que tomaram a decisão".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quando Bush ignorou a carta de Wojtyla contra a guerra no Iraque - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV