Obras da Copa ficam R$ 2,7 bi mais caras

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Setembro 2011

As obras da Copa do Mundo de 2014 tiveram um aumento de custo de R$ 2,7 bilhões desde janeiro.

A reportagem é de Felipe Coutinho e Márcio Falcão e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 21-09-2011.

Um estudo da consultoria legislativa do Senado comparou os orçamentos previstos para estádios, obras de mobilidade, portos e aeroportos no começo do ano com o último balanço do governo federal, da semana passada.

Em janeiro, os projetos estavam avaliados em R$ 23,8 bilhões, mas agora essas mesmas obras têm o custo previsto de R$ 26,5 bilhões.

Proporcionalmente, a maior variação ocorreu nos portos, que encareceram 21%.

Em valores absolutos, porém, as obras de mobilidade urbana foram as que mais cresceram: R$ 1,2 bilhão, ou 10%. Hoje os projetos voltados para a mobilidade estão avaliados em R$ 16 bilhões.

Para o governo, contudo, as obras de mobilidade, apesar do alto custo, não estão entre os "pilares essenciais" para a realização do evento, como já declarou o ministro Orlando Silva (Esporte).

R$ 30 BILHÕES

O estudo feito pelo Senado ainda comparou os valores globais do projeto Copa-2014.

No total, com as obras novas que foram incluídas desde janeiro - como o estádio do Itaquerão -, o custo da Copa do Mundo no Brasil subiu R$ 6,83 bilhões (ou 28%), chegando a R$ 30 bilhões.

Sem contar o custo do Itaquerão, o custo dos estádios foi o que teve o menor crescimento entre os diversos tipos de obras. Houve um aumento de 8%, ou R$ 480 milhões.

As arenas de Recife, Belo Horizonte, Cuiabá, Manaus e Natal tiveram crescimento de menos de 1%, enquanto Brasília reduziu o valor da obra em R$ 25 milhões. Já em Porto Alegre, o custo quase dobrou: de R$ 154 milhões para R$ 290 milhões.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obras da Copa ficam R$ 2,7 bi mais caras - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV