Para lidar com o presente, o país deve rever contas com o passado

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • “O conteúdo e o sentido do trabalho são exigências de justiça social”. Entrevista com Alain Supiot

    LER MAIS
  • “Vacinas para todos!” Declaração da Pontifícia Academia para a Vida sobre as vacinas contra a Covid-19

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Setembro 2011

O Chile vive hoje um importante paradoxo: seu sistema político, tradicionalmente considerado um dos mais estáveis do mundo, parece caminhar rumo a uma profunda crise de legitimidade.

O comentário é de Marisa Von Büllov, Ph.D. em ciência política pela Johns Hopkins University, professora do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília e atualmente professora visitante do Instituto de Ciência Política da PUC-Chile, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, 12-09-2011.

Os protestos liderados por universitários, que surpreendem pela capacidade de angariar simpatias e mobilizar, devem ser entendidos não só como consequência dos problemas do modelo educacional chileno, mas também a partir de uma análise mais ampla sobre os desafios do sistema político do país.

Segundo dados do Projeto Auditoria da Democracia, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD-Chile), desde 2006 vem diminuindo o número de eleitores que se identificam com coalizões partidárias.

Em 2010, mais de 60% dos chilenos não se sentiam identificados com nenhum partido político - um crescimento superior a 20 pontos em apenas uma década.

QUEDA SISTEMÁTICA

A pesquisa Barômetro das Américas confirma: em nenhum país da América Latina, exceto o caso extremo do Haiti, houve queda tão sistemática da adesão a partidos políticos como no caso chileno, entre 2006 e 2010.

Esse distanciamento em relação aos partidos políticos tem levado a uma crescente apatia eleitoral, especialmente da juventude, que hoje prefere expressar suas demandas e frustrações nas ruas, e não nas urnas.

Entre os que votam, a insatisfação não parece menor, fato que explicaria as recentes pesquisas de opinião pública, que mostram o atual governo acumulando recordes de desaprovação.

Nesse contexto de enfraquecimento das instituições políticas de representação, o movimento social capta e canaliza esses sentimentos por meio de críticas duras às lideranças tradicionais e de demandas como o fim do lucro na educação, reforma tributária e plebiscito sobre os rumos da política educacional.

Porém, o desafio de encontrar respostas concretas para a crise depende justamente da capacidade do Poder Executivo e do Congresso Nacional de dialogar e trilhar caminhos novos, sob pena de perderem ainda mais do seu enraizamento na sociedade.

Esse desafio é urgente, mas complexo, pois pressupõe mudança de regras herdadas do período da ditadura militar chilena. Uma reforma política que altere o sistema eleitoral e os processos decisórios no Legislativo, possibilitando renovação das instituições e maior participação da sociedade civil, não seria uma panaceia para os problemas que o Chile enfrenta.

No entanto, isso permitiria ao país dar um passo importante no esforço de acertar as contas com o passado e enfrentar os desafios impostos pelo presente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para lidar com o presente, o país deve rever contas com o passado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV