Maria em toda a sua glória

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Setembro 2011

Imagens coroadas de Maria são o tema de uma nova exposição de arte nos Estados Unidos.

A reportagem é de Joseph Pronechen, publicada no sítio National Catholic Register, 04-06-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Durante séculos, Maria tem sido objeto de uma gloriosa arte devocional em diversos gêneros. Em maio deste ano, um estilo bastante singular de arte mariana chegou diretamente do Vaticano para uma exposição no Knights of Columbus Museum, em New Haven, Connecticut.

Essa grande exposição – Full of Grace, Crowned Madonnas of the Vatican Basilica – destaca mais de 90 pinturas de imagens coroadas de Maria que abrangem vários séculos. O Vaticano restaurou todas elas ao longo dos últimos oito anos. Essa incomparável coleção não reúne apenas a maior parte das 120 imagens desse tipo no Vaticano, mas também é a primeira vez que elas deixaram a Basílica de São Pedro em um grupo tão grande como esse.

O curador dessa exposição é Pietro Zander, arqueólogo-chefe do Vaticano, ligado à Fabbrica di San Pietro, que mantém a Basílica de São Pedro e a sua arte sacra.

Elas são parte do que uma vez foi uma coleção muito grande: 1.300 imagens de Maria foram coroadas em todo o mundo entre 1636 e 1881. As coroações foram documentadas nessas pinturas que tradicionalmente copiavam as imagens originais de Maria nas igrejas, templos ou santuários particulares e depois eram enviadas ao Vaticano.

Cada imagem de Maria tem um significado particular.

Por exemplo, a imagem da Madonna di Gallivaggio (Lombardia, junho de 1742) (imagem à direita - clique para ver em tamanho maior) honrava a aparição de Nossa Senhora lá em 1492, que foi testemunhada pelo bispo local.

Observe o texto de apoio que acompanha a pintura e que explica brevemente uma razão ou detalhe ligado à coroação.

Outra imagem é a Beata Vergine Lauretana da Lombardia (imagem à esquerda), coroada no dia 17 de agosto de 1732. Essa imagem da milagrosa Santíssima Virgem de Loreto honra a coroação da proteção da Virgem sobre Cremona e seus libertadores da praga de 1630.

Maria aparece em um nicho pintado e está rodeada por querubins. Observe o Espírito Santo abaixo da coroa.

Nossa Mãe Santíssima aparece em muitas formas, em títulos às vezes desconhecidos e em vestes elaborados ou simples. Uma lição é a universalidade na devoção a ela e à sua maternidade universal de todos nós. Tomemos, por exemplo, a Madonna della Libera, da Itália (imagem à direita).

Maria não só usa uma enorme coroa de ouro, mas a elaborada corrente em torno do pescoço tem um pingente com seu coração em chamas de ouro. Observe as cruzes douradas que ela exibe nas palmas das mãos erguidas. Mesmo quando ela não aparece com o Menino Jesus, como muitas vezes acontece, ela nos lembra o seu Filho e o seu sacrifício por nós com o seu gesto.

Em seguida, na Madonna di Barbana (imagem à esquerda), coroada no dia 15 de agosto de 1862, observe o vestido real bordado com flores que Maria usa. Em muitas dessas pinturas, Jesus geralmente aparece com uma coroa semelhante.

Observe a rosa que Maria segura e os querubins em torno dela, como em muitas outras pinturas. Essa pintura-documento inclui uma visão da igreja que a homenageia.

Um mosteiro e as montanhas locais têm um papel na Madonna della Quercia (imagem à direita), também da Itália, coroada no dia 5 de setembro de 1920. Maria aparece sobre uma nuvem sobre uma alta árvore. A pastora ajoelhada em reverência e a própria cena trazem à mente um título universalmente mais conhecido: Nossa Senhora de Fátima.

As imagens originais coroadas honram Maria em uma variedade de formas ou títulos. Muitas são estátuas, como a Santíssima Mãe da Consolação, em alabastro, de um santuário de Gênova. Outras são pinturas em painéis de madeira, afrescos, mosaicos e assim por diante. E, embora muitos títulos não sejam familiares, outros o são. Tomemos a bela Santa Maria Annuniziata (imagem à esquerda), coroada no dia 17 de agosto de 1919, na Campânia, na Itália, em um santuário homônimo.

Há o olhar renascentista de um grande mestre da pintura holandês. Uma qualidade de grande mestre da pintura também aparece em uma coroação que honra Maria como a Madonna del Prescipio de 1784 (imagem à direita).

Há também imagens documentadas que são muito simples, como a Madonna del Pasco (imagem à esquerda), da região italiana do Piemonte. A imagem coroada original está na Igreja da Madonna del Pasco e foi coroada no dia 15 de agosto de 1900. Note que Maria tem uma cereja nas mãos, assim como o Menino Jesus, que alimenta um pássaro.

Algumas imagens coroadas possuem um tipo diferente de surpresa, porque normalmente não pensamos em Maria em sua coroação. Uma deles é a Pietà de Michelangelo, que foi emprestada não pelo Vaticano, mas pela Vescovo Buonarroti Art), que é uma das nove reproduções em bronze autorizadas pelo Vaticano.

A outra é a Madonna delle Grazie (Nossa Senhora das Graças) da Lombardia, de 1872 (uma das várias Nossas Senhoras com o mesmo título, mas com diferentes interpretações na exposição). Essa imagem apresenta uma Maria triste durante a Crucificação (imagem à direita).

Enquanto a maioria dessas imagens coroadas vem da Itália, há algumas da América Latina e de outros países europeus. Duas da França nos mostram uma rainha Maria muito régia. Eles nos lembram que ela é Regina Coeli, a Rainha dos Céus. Outras são mais simples, como a mais recente delas, Nossa Senhora de Czestochowa, que foi coroada no dia 2 de abril de 2005, e que agora se encontra na Capela da Nação Polonesa, na Basílica de São Pedro.

Outras imagens similares e mais simples em exposição também são da Polônia, como a Nossa Senhora de Piasek, coroada em 1764 (imagem à esquerda).

E também há a milagrosa Nossa Senhora de Chelm (imagem à direita), também coroada nos anos 1760.

A Espanha retrata a Nossa Santíssima Rainha de forma mais elaborada, como a coroação da imagem da Virgen de los Ojos Grandes, no dia 15 de agosto de 1904 (imagem abaixo). Observe como Jesus olha e contempla amorosamente o rosto de sua Mãe Rainha.

Olhar fixamente para ela nessa exposição nos lembra que devemos ter o mesmo amor e admiração pela nossa Mãe que Jesus nos deu. Ela é a Rainha dos nossos corações, assim como a Rainha dos Céus.

A exposição estará aberta à visitação até janeiro de 2012. Para mais informações, visite http://www.kofcmuseum.org/km/en/exhibits/2011/crowned_madonna/index.html.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Maria em toda a sua glória - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV