Padres austríacos tornam pública a sua discordância

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Párocos, franciscanos, ex-núncios: os treze novos cardeais de Francisco ampliam as fronteiras do Colégio cardinalício

    LER MAIS
  • “Temos que entrar em sintonia com o caos”, avalia Franco “Bifo” Berardi

    LER MAIS
  • Milícias do Rio mantêm parceria com polícia, facções e igrejas pentecostais, aponta estudo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Setembro 2011

Eles não se reconhecem mais na sua Igreja e deixam isso claro. Párocos, vigários, diáconos, a maior parte com idade avançada, alguns aposentados, mas não menos determinados "a mover as águas" dentro da Igreja Católica. No total, 337 membros do clero austríaco – que contra com 4.000 padres – defendem um "convite à desobediência" promovido por uma associação de padres diocesanos, para os quais "a recusa de Roma de realizar reformas tão esperadas e a inércia dos bispos não apenas permite, mas também exige que se siga a própria consciência e se aja em consequência".

A reportagem é de Sébastien Maillard, publicada no jornal francês La Croix, 07-09-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Publicado no dia 19 de junho, por ocasião da Festa da Santíssima Trindade, o "protesto" proveniente da base da Igreja austríaca, teve depois um vasto eco midiático em todo o país. De acordo com uma pesquisa realizada pelo instituto Ökonsult, mais do que 71% dos austríacos consideram "justa e adequada" a iniciativa promovida pelo Pe. Helmut Schüller, ex-vigário-geral de Viena e diretor da Cáritas Austríaca. Conhecido pela sua personalidade decidida, é hoje responsável por uma paróquia do interior, perto da capital austríaca. O seu manifesto rompe, em sete pontos, muitos temas-tabu da Igreja.

O convite a desobedecer, em particular, informa em preto e branco que os padres signatários irão dar a comunhão aos divorciados em segunda união e aos membros de outras Igrejas cristãs. Que deixarão leigos competentes pregarem, "incluindo professoras de religião". E que irão aproveitar todas as oportunidades para falar publicamente em favor da ordenação de mulheres e de pessoas casadas.

Há o suficiente para constranger o episcopado austríaco e, em primeiro lugar, o cardeal Christoph Schönborn, do qual o Pe. Schüller foi estreito colaborador. O arcebispo de Viena publicou no dia 7 de julho uma longa resposta ao manifesto na revista da diocese. Dizendo-se "chocado" com o convite dos padres dissidentes, o cardeal austríaco, próximo de Bento XVI, se mostra aberto ao diálogo no "sinal de estima recíproca", mas também avisa: "Aquele que, com uma consciência examinada, tem a convicção de que "Roma" está em um caminho errado, que contradiz gravemente a vontade de Deus, deveria, ao contrário, tirar a conclusão de que não caminha mais junto à Igreja Católica Romana".

O cardeal Schönborn se recusa a tirar a conclusão da desobediência aberta, latente, nos fatos que ocorrem desde 2006, data da criação da associação desses padres reformadores. Depois de ter recebido no dia 10 de agosto passado, em um café da manhã, os quatro protagonistas da atual rebelião, entre os quais o Pe. Schüller, o arcebispo de Viena irá continuar a discussão no outono [europeu]. Uma reunião a portas fechadas havia sido prevista para sábado, mas a diocese de Viena, ontem, não a confirmou, reconhecendo, porém, que a iniciativa dos padres encontrava um amplo apoio entre inúmeros leigos assalariados e voluntários da Igreja austríaca. A partir de fontes internas à diocese, não existem, por enquanto, "nem ultimatos nem sanções" contra os padres, salvo "casos flagrantes e extremos de desobediência". E se lembra que já existem exceções para dar a comunhão aos divorciados em segunda união.

Para o cardeal dominicano, o apelo dos padres convida sobretudo a uma maior pedagogia com relação aos 5,5 milhões os católicos que a Igreja Católica conta oficialmente nesse país, em uma população de 8 milhões de habitantes. Ainda ferida pelo caso de Dom Groër – controversa nomeação em Viena desse arcebispo que teve que renunciar no final – e mais recentemente pelo escândalo dos abusos sexuais, a Igreja austríaca registrou no ano passado 80 mil abandonos. "O diálogo não deve ocorrer só entre o arcebispo e os padres, mas com o conjunto do povo dos fiéis", insiste Hans Peter Hurka, presidente do movimento reformador leigo Wir sind Kirche (Nós Somos Igreja).

"O cardeal (Schönborn) não pode resolver esse problema sozinho. Todos, bispos, abades, padres, representantes da iniciativa dos padres, devem discutir juntos o problema", afirmou Dom Martin Felhofer, influente abade na Áustria, que não hesitou em evocar o "risco de um cisma" no país. O teólogo Paul Zulehner, próximo tanto ao cardeal Schönborn quanto ao movimento Nós Somos Igreja, declarou-se disponível para uma eventual mediação. Porque, se Roma quer se mostrar inflexível sobre o conteúdo das reivindicações dos padres em revolta, a palavra de ordem é preservar a unidade.

Imediatamente, a rebelião poderia atrasar uma remodelação prevista para o outono [europeu] das 4 mil paróquias, com vistas a reduzir o seu número.

"É uma ampla reforma para tornar a Igreja mais missionária", disse, em defesa, um porta-voz do cardeal Schönborn, Michael Prüller, que reconhece, no entanto, o forte desejo dos católicos austríacos de manter uma missa dominical em cada cidade. Nesse sentido, o movimento liderado pelo Pe. Schüller se opõe a "reunificar as paróquias" e promete, no seu manifesto, a solução alternativa das assembleias eucarísticas sem padres e de confiar a direção de cada paróquia a um "homem ou mulher, casado ou não, de tempo integral ou parcial".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Padres austríacos tornam pública a sua discordância - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV