Protestar dá resultado: a decisão da Adidas comprova isso

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

08 Setembro 2011

Há quem olhe com um pé atrás as ações do Greenpeace. Exagerados, radicais, apelativos… Não foram poucos os adjetivos atribuídos aos ativistas da ONG. O caso é que, muitas vezes, funciona. Em 23 de julho deste ano, cerca de 600 pessoas fizeram um striptease em frente a lojas de grandes marcas de roupas, em 29 cidades de dez países, para protestar contra o uso de Etoxilato de Nonilfenol (NPE) na fabricação das peças de vestuário. Poucos meses depois, elas conseguiram o que queriam.

A informação é do sítio da revista Época, 06-09-2011.

A primeira marca a se retratar afirmando que vai deixar de usar o componente foi a Puma. Depois, a Nike. Agora, foi a vez da Adidas anunciar que, em sete semanas, publicará um plano para reduzir progressivamente o uso de NPE até, em 2020, abolir por completo o emprego do produto químico.

Se na rua o que vale para o Greenpeace é chamar a atenção da massa, nos seus escritórios a equipe da organização não deixou de reunir argumentos para justificar a briga. Em agosto, eles divulgaram o relatório Dirty Laundry 2. No documento, a organização relata a análise feita com 78 artigos esportivos de 15 grandes marcas, entre elas Lacoste, H&M, Abercrombie & Fitch, Converse, Ralph Lauren, Calvin Klein etc. O NPE foi dectado em dois terços das amostras.

O componente vem sendo despejado em grandes rios da China, onde é fabricada a maior parte das peças. O problema é que o NPE pode ser acumulado pelo organismo humano, causando alterações hormonais. Além disso, durante a lavagem das roupas a substância também é liberada, ou seja, o risco à saúde humana é exportado para as centenas de países onde estes artigos são consumidos.