"Faxina" de Dilma mobiliza redes sociais

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que 60% dos eleitores de Bolsonaro são jovens?

    LER MAIS
  • Francisco denuncia a “negação, indiferença e resignação” dos governos diante da destruição do meio ambiente

    LER MAIS
  • Ação inédita no país, Rio Doce entra na Justiça contra desastre de Mariana

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Setembro 2011

A "faxina" nos ministérios colocada em prática pela presidente Dilma Rousseff está servindo de inspiração para as pessoas se mobilizarem nas redes sociais. Depois de uma brincadeira pela internet ter conseguido reunir centenas de pessoas para um "churrasco-protesto" contra a desistência do governo de São Paulo de construir um metrô em Higienópolis, o Facebook está sendo palco para organizar uma nova leva de manifestações, desta vez contra a corrupção. E os protestos já têm dia para acontecer: quarta-feira, 7 de setembro.

A reportagem é de Isadora Peron e publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, 04-09-2011.

Há pelo menos dez diferentes grupos incentivando as pessoas a irem às ruas no dia em que foi declarada a Independência do Brasil. Mais de 75 mil pessoas já confirmaram presença em eventos espalhados por todo o País. Apesar de fazer algumas semanas que esse tipo de movimento começou a pipocar na rede social, foi somente nos últimos dias que os diversos grupos iniciaram um esforço para tentar unificar os eventos.

O blog Brasil+Ético tem reunido informações sobre os protestos. Para isso, publicou um Calendário Geral de Manifestações Anticorrupção, que tem sido atualizado periodicamente. Ronaldo da Cruz, brasileiro que mora na Espanha há dez anos, conta que criou o site para divulgar uma carta de apoio à presidente Dilma após ler notícias sobre a "faxina" que acontecia por aqui.

Para o professor José Álvaro Moisés, diretor do núcleo de Políticas Públicas da USP, essas iniciativas mostram que o País passa por um processo de mudança da cultura política. Segundo ele, o povo brasileiro sempre apresentou certa "tolerância social da corrupção", mas hoje a tendência é, cada vez mais, de mobilização contra práticas ilícitas.

Movimentos

Só na cidade de São Paulo há mais de cinco manifestações agendadas. O ponto de encontro da maioria delas será o vão do prédio do Masp, na Avenida Paulista. No Rio também haverá pelo menos quatro movimentos diferentes pela cidade. Em Brasília há o registro de outras quatro passeatas.

Um dos organizadores dessas manifestações é o grupo de hackers Anonymous, que ficou famoso por invadir as redes da Visa e da Sony. O movimento criado por eles no Facebook foi batizado de "Manifesto contra a corrupção no Brasil" e lista ações em praticamente todos os Estados brasileiros. Aproximadamente 35 mil pessoas confirmaram presença na página do evento na rede social.

Outro movimento com pretensões nacionais é "O Brasil de Luto". A página no Facebook foi criada pela carioca Ilze Papazian e já conta com mais de 20 mil adesões. "É a primeira vez que me envolvo num manifesto. Fui empurrada pela minha indignação", diz. E completa: "Eu não sou superpolitizada, mas acho que, com tantos meios de informação, ninguém precisa ser. Basta um pouco de interesse".

O tom geral, assim como declarou Ilze, é de indignação. Uma das organizadoras da "Marcha Contra a Corrupção em Brasília", Daniella Kalil, registra que o número de interessados em participar da manifestação cresceu após a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) se livrar do processo de cassação do mandato, na última terça-feira. "Nós tivemos mais de 7 mil adesões em um dia no Facebook. Todo mundo estava acreditando que ela seria cassada", diz Daniella.

Os organizadores dos movimentos fazem questão de se apresentar como apartidários e relataram ao Estado que têm se arranjado como podem: fazendo vaquinhas para pagar a impressão de faixas, banners e panfletos; reunindo-se depois do expediente para combinar as ações; chamando parentes, vizinhos e amigos para engrossar o coro nesta quarta-feira.

Para o diretor do Núcleo de Estudos da Corrupção da UnB, Ricardo Caldas, ir às ruas é o primeiro passo contra a corrupção, mas ele chama a atenção para o fato de que esse tipo de evento precisa ser minimamente organizado. "Se o número de pessoas que participar da manifestação não for aquele anunciado, gera uma frustração muito grande. Porque a impressão que dá é que todo o esforço foi perdido. Fica aquela sensação de que foi mais uma passeata que não deu em nada."

OS EVENTOS DO FACEBOOK

Manifesto contra a corrupção no Brasil
Mais de 35 mil confirmados

O Brasil de luto
Mais de 22 mil confirmados

Caras pintadas contra a corrupção
Mais de 17 mil confirmados

Marcha contra a corrupção
Mais de 15 confirmados

Protesto contra a corrupção no Brasil
Mais de 3 mil confirmados

#NASRUAS - Manifesto Público contra a Corrupção
Mais de 1,8 mil confirmados

Carreata "Brasil verde e amarelo"
Mais de 1,2 mil confirmados

Dia do Basta 3
Mais de 600 confirmados

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Faxina" de Dilma mobiliza redes sociais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV