Educação sexual: "Não é uma matéria qualquer", segundo o jornal do Vaticano

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Setembro 2011

Certamente, para famílias cada vez mais frequentemente desestruturadas, é muito difícil ensinar uma moral sexual que não seja testemunhada pelos pais e pelo ambiente onde os jovens vivem. É preciso enfrentar a questão a ele subjacente: o clamoroso fracasso da utopia da revolução sexual e o consequente desmoronamento da primeira instituição de educação moral, a família.

A análise é de Lucetta Scaraffia, membro do Comitê Italiano de Bioética e professora de história contemporânea da Universidade La Sapienza de Roma. O artigo foi publicado no jornal L’Osservatore Romano, 31-08-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Agora coube a Nova York: o responsável pelos estudos Dennis Walcott determinou que, com o novo ano escolar, os estudantes entre 11 e 18 anos deverão frequentar um curso de educação sexual pelo menos um semestre. O novo curso faz parte das iniciativas lançadas pelo prefeito Bloomberg para salvar da miséria à qual parecem destinados os jovens negros e latino-americanos. Para evitar polêmicas religiosas, entre os métodos anticoncepcionais, também será citada a castidade, e os professores deverão falar sobre sexo com alguma cautela. Mas isso não foi suficiente para o arcebispo Timothy Dolan, que criticou a iniciativa, afirmando que, "assim, as autoridades permitem que o sistema escolar se sobreponha aos valores dos pais, para substituí-los por aqueles dos que governam".

Mais uma vez, vemos se repetir um modelo já experimentado em muitos outros países: o Estado decide incluir cursos de educação sexual obrigatórios nas escolas, e a Igreja Católica se opõe, conquistando na mídia a imagem de força obscurantista, cruel por ser indiferente às consequências que a sua rejeição pode ter entre os jovens, isto é, gravidezes indesejadas e doenças. Ao contrário, as coisas não são assim.

Não se entende como as instituições públicas ocidentais continuam alimentando uma confiança mágica na eficácia da educação sexual. Depois de anos de cursos, naturalmente centrados nos métodos contraceptivos, vimos como em muitos países – o exemplo mais conhecido é o Reino Unido – os jovens continuam tendo relações sexuais precoces sem nenhuma proteção, e se multiplica as gravidezes entre as adolescentes e os abortos. Já está claro que não basta absolutamente explicar-lhes como podem usar os contraceptivos e onde encontrá-los facilmente para evitar essas tragédias, mas sim que o problema está antes, na educação e, portanto, na família.

No fundo, a Itália – onde não existe educação sexual escolar obrigatória – é um dos países que se encontra melhor a partir desse ponto de vista: aqui, os jovens têm menos risco de doenças e gravidezes precoces. Isso ocorre por mérito da família, do controle afetuoso dos pais sobre os filhos adolescentes, do fato de que os jovens não são abandonados a si mesmos com uma caixa de anticoncepcionais como única defesa contra as suas paixões e os seus erros.

E, em parte, também é mérito da Igreja Católica, que continua ensinado que as relações sexuais são muito mais do que uma ginástica agradável a ser praticada sem freios e sem correr riscos. A Igreja, de fato, considera a vida sexual dos seres humanos como uma das provas mais significativas da sua maturidade humana e espiritual, uma prova a ser enfrentada com preparação e seriedade, isto é, que deve estar ligada a escolhas de vida fundamentais como o matrimônio e, portanto, aos fundamentos de uma família em que a procriação constitui um dos fins principais.

A Igreja ensina o respeito pelo próprio corpo, o que significa dar importância e peso aos atos que são feitos com ele, a não considerá-los só como possibilidades de diversão ou de satisfação narcisista: e isso é justamente o contrário do que dizem os seus críticos.

Para a tradição católica, o corpo é importantíssimo, desempenha um papel central na experiência humana e espiritual de toda pessoa. Os católicos, portanto, não podem aceitar que a vida sexual seja considerada como matéria de ensino como uma atividade qualquer, pois apresenta perigos que seria melhor evitar. Como bem se sabe, além disso, os jovens são muitas vezes atraídos pelos perigos e só se comprometem a evitá-los se forem educados para as razões profundas de um comportamento moral diferente.

Certamente, para famílias cada vez mais frequentemente desestruturadas, é muito difícil ensinar uma moral sexual que não seja testemunhada pelos pais e pelo ambiente onde os jovens vivem. E, assim, parece mais fácil renunciar a qualquer forma de ensinamento moral, deixar o problema para a escola que substitui a educação moral com informações técnicas. Se, depois, os resultados forem desastrosos, finge-se que não houve nada: é mais fácil ignorar o problema, fingindo que ele é resolvido com cursos escolares inúteis, ou melhor, prejudiciais, do que enfrentar a questão a ele subjacente. Isto é, o clamoroso fracasso da utopia da revolução sexual e o consequente desmoronamento da primeira instituição de educação moral, a família.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Educação sexual: "Não é uma matéria qualquer", segundo o jornal do Vaticano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV