Por que Porto Alegre é primeiríssima, no Brasil, para campanha ateísta?

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar', denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • Deveríamos chamar os padres de ''padres''?

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Julho 2011

"A cultura gauchesca como cultura da classe dominante que é, mais do que um instrumento a ser utilizado para a evangelização, tornou-se um grande obstáculo. Ela é, isso sim, a larga estrada aberta ao ateísmo", escreve Antonio Cechin.

Antonio Cechin é irmão marista, miltante dos movimentos sociais, autor do livro  Empoderamento Popular. Uma pedagogia de libertação. Porto Alegre: Estef, 2010.

Eis o artigo.

Será que pode haver notícia mais questionadora para Evangelizadores e Catequistas  do que a inédita irrupção de uma campanha em favor do ateísmo?... Escolheram a capital de todos nós, gaúchos e gaúchas, como estopim deflagador de um movimento nacional sem Deus. Do jeito como foi dada a notícia nos grandes meios de comunicação, está completamente afastada a hipótese de se tratar de simples brincadeira de algum gaiato. Por trás da inédita propaganda está uma associação brasileira de ateus com nome e sede bem definidos.

A primeira tentativa que fizeram aqui, foi junto aos meios coletivos de transporte, nos ônibus. Teria a vantagem de ser mais personalizada, mais próxima, mais convidativa, sob a incidência de olhares de pessoas sentadas umas ao lado das outras, sempre em busca de algo a ver ou contemplar, com chances imediatas de troca de opiniões entre vizinhos, provocados pela mordência do assunto. Não conseguiram anuência junto às companhias de ônibus. Face ao fracasso da investida, talvez se tenham dado conta, de que mais do povo do que o interior dos meios de transporte, as "ruas e praças da cidade são do povo, assim como o céu é do condor" na voz do refrão. Seria infinitamente mais fácil do que junto a particulares, preocupados com a imagem das respectivas empresas transportadoras, obter os  espaços de que necessitam, junto ao poder público  municipal.

Começaram colocando dois outdors em ruas e lugares estratégicos. No primeiro, fotos de Charles Chaplin (ateu) e Adolf Hitler (que acreditava em Deus), são postas lado a lado, com um letreiro que diz "Religião não define caráter". No segundo, a legenda: "A fé não dá respostas, só impede perguntas". Prometem mais dois painéis para os próximos dias. O terceiro anúncio, que ainda não chegou às ruas, coloca divindades hindus e egípcias ao lado de Jesus Cristo, afirmando "somos todos ateus com os deuses dos outros".

Como cristão, portanto como pessoa de fé, foi a terceira vez que em nosso peregrinar terrestre sentimos um forte impacto em relação à Missão Evangelizadora da Igreja. Nas três vezes fomos forçados a concluir que a chamada inculturação da fé cristã neste nosso "garrão sul-brasileiro", como os guascas costumam se referir ao nosso Rio Grande, não é tão sólida assim como à primeira vista parece. Problema sério portanto para o anúncio da Boa Nova da salvação. A mais impactante das três vezes foi no ano de 2009 quando, no Instituto Humanitas Unisinos - IHU, assisti a uma palestra do professor Nivaldo Pereira, titular de uma cátedra, na Universidade de Caxias do Sul. Ele não é daqui, mas sim da Bahia.

O professor Nivaldo é autor de um livro, fruto de extensa pesquisa, cujo título é "Deus Morto no Pampa". De cara e, a meu ver, com grande coragem, ele afirma em sua tese de pós-graduação, que a cultura gauchesca, de CTG, a badalada cultura farroupilha, é atéia. O autêntico gaúcho que está no subconsciente coletivo, é o gaúcho da fronteira. Bagé é apontada pela opinião pública como a mais gaúcha de todas as cidades  riograndenses do sul. Esta versão motivou até uma sátira do escritor Luís Fernando Verissimo, intitulada o "analista de Bagé". Além de machista em grau superlativo, na obra de Nivaldo Pereira, o gaúcho, culturalmente, para poder ser totalmente livre e independente, acima de qualquer suspeita em contrário, acabou por matar o próprio Deus a fim de este não lhe fazer sombra. Isto, sempre segundo o professor Nivaldo, aconteceu quando aqui se matou o Paraíso Terrestre inicial da história riograndense: as Missões Jesuíticas dos Sete Povos das Missões juntamente com seu mais belo florão que foi São Sepé Tiaraju. Jogaram para fora de nossa história os Sete Povos das Missões Jesuíticas sob o argumento de que essas 7 lindas cidades fazem parte da história de Espanha, como se os índios guarani tivessem algo a ver em questão de nacionalidade com Espanha ou com Portugal. Começaram a apregoar que nossa história começa com açorianos.

À morte de Deus, a partir do ano de 1948, através de propaganda avassaladora, seguiu-se a substituição das raízes de nossas tradições mais autênticas, pelos "heróis" da classe dominante, que tem muito mais de vilões do que de heróis. Sabemos que a guerra dos farrapos foi uma guerra entre duas facções de grandes latifundiários. Escravocratas que eram todos, prometeram liberdade total aos escravos negros que fossem lutar na frente de batalha. Quando fizeram as pazes com o governo federal, representado pelo Duque de Caxias, a fim de impedir a abolição da escravatura através da concessão da liberdade a quem havia lutado com bravura, simplesmente, em Porongos, degolaram os Lanceiros Negros proibidos de usar armas de fogo e de andar a cavalo com medo que se evadissem. Ao lado dos soldados do exército regular com fuzis, metralhadoras e canhões, os escravos só podiam lutar com armas brancas. Sabemos também que os comandantes farroupilhas chegaram ao extremo de duelar entre eles próprios. Esse gauchismo ocupou absolutamente todos os espaços de nossa cultura, quando recebeu apoio total da ditadura militar de 1964. Naquele ano o exército baixou a ordem para todos os quartéis do estado criarem CTG.

Não entendemos como, até hoje, e bem mais do que até ontem, cantamos aqui a torto e a direito "Sirvam nossas façanhas de modelo a toda a terra!" Que façanhas são essas afinal de contas? Até ante-ontem, dia 16 de julho de 2011,  pelo principal jornal da terra, houve gente reclamando que na instalação e posse da nova diretoria da FIERGS, com a presença da presidenta Dilma Rousseff, o protocolo do palácio do planalto tenha impedido que se cantasse o tal hino rio-grandense.

Um grande cineasta porto-alegrense em entrevista memorável aos meios de comunicação, fez sentir o ridículo a que nos expomos nós, rio-grandenses, sob a tutela dessa lei estadual que obriga a cantar o hino farroupilha antes das partidas de futebol mais importantes, as inter-estaduais.

O modelo conservador da Igreja Católica que historicamente se amancebou com a classe dominante, foi ao encontro dessa pseudo cultura tradicionalista, até com uma missa especial, a tal missa crioula em que não há uma única referência aos pobres, nem mesmo ao próprio Cristo nascido numa estrebaria.

Há um par de anos, também não tem explicação, o triunfalismo que domina o modelo majoritário da Igreja, quando seu Fórum Eclesial, exatamente no dia 20 de setembro, data farroupilha por excelência. Esse mesmo
Fórum teve a ousadia de retirar da programação das grandes conferências a contribuição crítica ao gauchismo de araque que questionava a missa crioula e a impossibilidade de uma autêntica catequese católica dentro desse caldo cultural pseudo tradicionalista. Essa contribuição destinada a por em cheque a cultura de CTG, que havia sido preparada por dois Regionais de Pastoral, Missões e Pelotas, foi simplesmente jogada para uma oficina que não contou com mais de meia dúzia de pessoas.

Foi atingido o cúmulo do fervor farroupilha quando um bispo esteve à frente de um piquete a cavalo, na transladação dos restos mortais de um dos principais chefes farrapos, de uma pequena cidade do interior do estado para o jazigo definitivo,  em cidade fronteiriça.

Ouve-se por aí volta e meia, até mesmo em comunidades católicas, aquele outro canto, considerado pela maioria como o hino popular por excelência da gauchada, onde o refrão diz: "Deus é gaúcho, de espora e mango, foi maragato ou foi chimango!" Bota machismo nisso!... É simplesmente um escândalo catequético!... O "paizinho" (Abba) de Jesus de Nazaré "de espora e mango", a cavalo, como quem toca boiada para matadouro?...

Brincadeiras?... É com brincadeiras assim que se vai criando o caldo ateísta a partir da infância.

De outra feita, numa terceira ocasião, trabalhando com catadores nas Ilhas do Guaíba, com assessoria de um professor de pós-graduação da UFRGS, contribuímos com um filme de curta metragem intitulado "Ilha das Flores". Destinava-se o filme à conscientização das pessoas, particularmente da classe média, para a separação dos resíduos sólidos para catadores. Diga-se de passagem que esse filme, consta sempre da lista dos cem melhores curtas de toda a história do cinema. O cineasta que produziu o filme, filho de uma família de tradição catolicíssima, durante muitos anos, marido e mulher presidentes do Movimento Familiar Cristão, pois não é que começa o filme com a afirmação "Deus não existe!"

Só entendi em plenitude o filme, 15 anos depois do curta-metragem ter sido produzido. Retornou à Ilha Grande dos Marinheiros a Casa de Cinema, com o mesmo diretor que havia produzido "Ilha das Flores" a fim de produzir um filme de três minutos , para o Banco do Brasil, em sua  publicidade de final de ano, no Jornal Nacional, em torno de um dos valores nos quais "o BB acredita": FRATERNIDADE. Com o mesmo ator Paulo José, avalia a repercussão do "Ilha das Flores": em que havia ajudado as pessoas a refletirem sobre a INJUSTIÇA SOCIAL? Muito mais do que explicar o que é FRATERNIDADE, realiza  e filma um gesto concreto, partilhando o cachê recebido pelo BB, na forma de melhorias na infra-estrutura  das instalações do coletivo de trabalho de reciclagem e na construção de uma cancha coberta ao lado do galpão. Aí fica tudo claro: o deus que fora negado é "o deus da guerra, que empurra irmãos contra irmãos, o deus da cobiça, da intolerância e da fúria." E o Deus que estava sendo afirmado e vivido, " o da irmandade, da união, do afeto, do amor ao próximo, da sabedoria e da paz."

Realmente aquela frase ocupando toda a tela - "Deus não existe" - nada mais era do que um discurso escandalizador insinuando: "Aqui neste terrível ambiente de pobreza extrema em que pessoas humanas, feitas à imagem e semelhança de Deus, estão obrigadas a disputar com porcos, os mais imundos dentre os animais, restos de comida para sobreviver, aqui, na verdade, Deus não existe!"

Em nosso modesto entender para uma autêntica evangelização dos pobres, segundo o mandamento do Homem Jesus de Nazaré quando ordenou "Ide por todo o mundo e fazei de todos meus discípulos", a cultura gauchesca como cultura da classe dominante que é, mais do que um instrumento a ser utilizado, tornou-se um grande obstáculo. Ela é, isso sim, a larga estrada aberta ao ateísmo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que Porto Alegre é primeiríssima, no Brasil, para campanha ateísta? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV