MST cobra nomeações no Incra e critica Dilma

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • Cibermilícias católicas e as novas censuras. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • É urgente voltar a Marx para entender nova fase da economia, diz professor

    LER MAIS
  • Aumenta a fome na América Latina e no Caribe: 42,5 milhões de pessoas estão subnutridas, segundo a FAO

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

03 Julho 2011

A demora na nomeação de superintendentes regionais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) começa a desgastar a relação de dirigentes do Movimento dos Sem Terra (MST) com o governo da presidente Dilma. Além das declarações públicas de desagrado, que se tornam cada vez mais azedas, líderes do movimento preparam protestos contra o governo que ajudaram a eleger.

A reportagem é de Roldão Arruda e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 04-07-2011.

O movimento acusa o governo de ter paralisado a reforma agrária. O principal indicador do descaso com a reforma, segundo o MST, é o fato de que num total de 30 superintendências do Incra só seis contam com novos diretores. As indicações para as outras 24 cadeiras estão paralisadas em virtude de disputas políticas que envolvem tanto correntes internas do PT quanto partidos da base aliada. O próprio MST tem interesse nessas nomeações e tenta influenciar a escolha dos nomes a partir da aliança com partidos, como o PT.

O fato de a Presidência ter decidido devolver para o Ministério do Desenvolvimento Agrário um conjunto de processos de desapropriação e aquisição de terras para a reforma também provoca irritação do MST.

Concluídos durante a gestão de Rolf Hackbart, que comandou o Incra no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, e à espera do sinal verde da presidente Dilma, os processos retornaram com a explicação de que precisam de justificativas mais robustas. "Foram devolvidos 90 kits de desapropriação já concluídos", reclama João Paulo Rodrigues, porta-voz da coordenação nacional do MST. "Atitudes como essa paralisam o Incra e a reforma agrária."

Na semana passada, Rodrigues postou em seu Twitter a seguinte mensagem endereçada à presidente: "Dilma, estamos em junho e até agora os diretores do Incra não foram nomeados, ou seja: a reforma está parada. Poderia nos informar o que se passa?"

No final de semana, outro dirigente nacional, Jaime Amorim, também atacou, em entrevista no site da organização: "Mesmo no projeto de combate à miséria que a presidente Dilma instituiu a reforma não está colocada".

Para Rodrigues, a indefinição nas superintendências regionais só prova o descaso do governo com a reforma: "Tem algum cargo importante no Banco Central que continua vago após seis meses da posse do novo governo? Algum cargo-chave na Petrobrás? Na Itaipu?".

A indefinição causa paralisia, segundo Rodrigues: "Com diretores interinos ou prestes a deixar o cargo e com tanta disputa política no meio, o orçamento não é executado. Em São Paulo, onde o superintendente pediu demissão e não encontraram um nome para substituir, o Incra está quase parado".

Ministério

O porta-voz do MST também critica o ministro Afonso Florence, do Desenvolvimento Agrário: "O ministério que deveria cuidar da reforma agrária não aparece em cena e não interfere no Incra". Sobre o ministro Gilberto Carvalho, titular da Secretaria-Geral da Presidência e responsável pela interlocução entre governo, movimentos sociais e sindicatos, o líder dos sem-terra diz: "Ele tem que atender a muitas demandas e não dá conta. Todas as negociações que fizemos com o Gilberto durante o movimento do Abril Vermelho deste ano ainda não saíram da gaveta".

O MST deve organizar em agosto um grande acampamento de militantes em Brasília para protestar contra o governo. Nesse momento procura o apoio de outras organizações, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) para a cruzada. Além de reivindicar o preenchimento de cargos, o MST pede maior clareza sobre o papel do Incra.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - MST cobra nomeações no Incra e critica Dilma