Matisse convertido por uma freira

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Direita cristã é o novo ator e líder do neoconservadorismo no País

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Junho 2011

Foi uma irmã que abriu o coração de Henri Matisse às temáticas da fé, até lhe permitir criar "um dos tesouros mais preciosos que existem no mundo: o conjunto de desenhos, objetos e projetos que, nos anos que vão do final da década de 1940 ao início da década de 1950, ele forneceu para a Capela do Rosário de Vence", revela o diretor dos Museus Vaticanos, professor Antonio Paolucci, por ocasião da inauguração de uma "Sala Matisse", que enriquece agora a partir de hoje o percurso dos visitantes entre os tesouros artísticos contidos na Palácio Apostólico e nos edifícios adjacentes.

A nota é de Giacomo Galeazzi, publicada em seu blog, Oltretevere, 24-06-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Primeiro, lembra o professor Paolucci aos microfones da Rádio do Vaticano, "esse grande artista que havia atravessado todas as vanguardas do século XIX", era "um homem agnóstico, pelo que se sabe, em matéria de fé". E, depois, "encontrou uma freira dominicana, madre Agnes de Jesus. Entre esse homem e essa mulher, se estabeleceu uma relação afetuosa, de estima recíproca entre uma irmã e um artista que já está no crepúsculo da vida – morrerá poucos anos depois – e quer fazer essa homenagem à religião".

Segundo o ex-ministro dos Bens Culturais, "o fato mais significativo" dessa coleção de cartões preparatórios, é a atenção de um grande artista moderno aos valores da Igreja Católica e à representação visual do drama da Missa".

"Esses maravilhosos cartões pintados foram depois doados – reconstrói Paolucci – pelo herdeiro de Matisse, seu filho Pierre, em 1980, aos Museus Vaticanos, porque, alguns anos antes, em 1973, aquele grande intelectual do século XX que responde ao nome de Paulo VI quisera reabrir o diálogo com a arte moderna e contemporânea e, em 1973, abriu o Departamento de Arte Religiosa Moderna e Contemporânea, que ainda existe".

Assim, "depois de um trabalho que durou anos", pode-se hoje visitar a exposição dessas fragilíssimas pinturas feitas de papelão". "E vem visita, vê expostos os desenhos preparatórios coloridos para os vitrais, vê expostas as casulas, que parecem prados floridos na primavera, e são muito bonitas, porque – conclui o diretor dos Museus Vaticanos – o gênio de Henri Matisse é justamente este: a sua alegria de viver, a sua capacidade de se admirar, como faz uma criança perante a iridescente beleza do mundo. Vê-se aquele Cristo filiforme, destinado ao altar da Capela, vê-se esse pauperismo feliz. Além disso, ele mesmo chegou a dizer e também a escrever que considerava este adorno da Capela de Vence a sua obra-prima".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Matisse convertido por uma freira - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV