"Os políticos têm medo do Vaticano". Entrevista com Gianni Vattimo

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Francisco quase desculpa a vida dupla, mas ainda não aceita padres casados”

    LER MAIS
  • Carta a um jovem padre. Artigo de Domenico Marrone

    LER MAIS
  • A espiritualidade cristã no mundo secular

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Junho 2011

"O problema da Europa se chama Itália, não por culpa dos italianos, mas pela colonização levada adiante pelo Vaticano e pela covardia dos políticos". O professor Gianni Vattimo, filósofo e eurodeputado pela Itália dos Valores, tem dúvidas com relação ao fato de que possa haver uma reviravolta na Itália no reconhecimento dos casais gays.

A reportagem é de Diego Longhin, publicada no jornal La Repubblica, 26-06-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Continuaremos tendo polêmicas em torno de uma propaganda da Ikea e sobre o slogan "estamos abertos a todos os tipos de família"?

O problema é o entrelaçamento entre o atraso político e uma Igreja que considera os seus princípios como princípios de direito natural. Não só sobre as uniões homossexuais, mas também sobre a bioética, sobre o fim da vida, sobre o divórcio. Princípios inegociáveis, mesmo que a Igreja se declare democrática. O político, para não perder um voto do bispo ou do pároco, prefere evitar de enfrentar a questão, mesmo que a posição no país seja diferente.

A maioria é a favor dos casamentos gays?

Basta olhar para as pesquisas. Não queremos usar a palavra "matrimônio", porque incomoda. Tudo bem. Seria importante um reconhecimento legal. Mesmo os católicos estão de acordo. Eu também me considero um cristão, não tão praticante, porque a Igreja pensa que eu sou um bandido...

A maioria política não corresponde à maioria real?

Não, mas é algo que acontece cada vez mais frequentemente. Vencem-se os referendos, mas depois se perde no parlamento.

Entre os políticos italianos, o senhor vê um Cuomo ou um Obama possa romper a covardia?

É difícil, não vejo ninguém.

O ex-prefeito cidadão de Turim, Chiamparino, havia participado do casamento de duas lésbicas para chamar a atenção para a questão. Um estímulo por parte dos prefeitos teria um efeito?

Chiamparino fez bem e demonstrou ser aberto. Mas quantos prefeitos estão dispostos a seguir o seu exemplo? Poucos.

O oncologista Veronesi exaltou o amor gay como uma escolha consciente, mais evoluída do que a relação heterossexual. O senhor concorda?

Algumas argumentações têm um sentido próprio. Veronesi disse que, no amor gay, busca-se a proximidade de pensamento e a sensibilidade com o outro, enquanto o amor heterossexual é instrumental para a procriação. Em uma frase, desafio a que se encontre um homem normal que queira se assemelhar à sua esposa. Depois, é possível ter filhos com técnicas diferentes, sem recorrer a instrumentos biológicos. Atenção, porém, para não exagerar. E digo isso como gay. Não há uma superioridade no amor gay com relação ao amor heterossexual.

O senhor se casaria?

Sou a favor de uma legalização. Não é um problema de matrimônio no sentido clássico. Pasolini hoje seria a favor do casamento? Duvido, porque entre os gays prevalece a defesa da própria diversidade. Outra coisa é um reconhecimento legal da união, que valeria para os casais homossexuais assim como os heterossexuais.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Os políticos têm medo do Vaticano". Entrevista com Gianni Vattimo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV