Para 11 cidades afetadas, obra será "redenção"

Revista ihu on-line

Hospitalidade

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Mais Lidos

  • O Brasil está pronto para um segundo turno entre Lula e Bolsonaro?

    LER MAIS
  • O manifesto de Francisco por um mundo global. Artigo de Andrea Riccardi

    LER MAIS
  • Proposta do Governo para Previdência reforça desigualdade social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

19 Junho 2011

Com tanta precariedade ao redor, os 11 municípios que serão afetados pela construção da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, têm encarado o projeto da usina como "uma redenção" para toda a região. A postura ficou bem clara durante o primeiro encontro realizado em Altamira entre os prefeitos, lideranças do governo federal e representantes do consórcio Norte Energia, responsável pela construção e operação da usina. "Que Belo Monte venha logo, estamos à espera de suas obras e as mudanças que elas irão gerar", disse o prefeito de Uruará, Eraldo Pimenta (PP), durante o encontro.

A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 20-06-2011.

A partir de julho a Norte Energia vai lançar, em parceria com as secretarias de saúde dos municípios, um plano de controle da malária na área de influência da usina, ação que faz parte das condicionantes estabelecidas na Licença de Instalação concedida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O plano terá um custo total de R$ 36,8 milhões para a Norte Energia. A empresa vai contratar 195 profissionais de saúde para atuar no programa. Serão entregues às prefeituras 17 caminhonetes, 36 motocicletas, 17 barcos de vários tamanhos e 45 bombas para aplicação de inseticidas, entre outros equipamentos.

Em Brasil Novo, diz a prefeita interina do município, Fátima Rocha (PTB), o consórcio já aplicou pelo menos R$ 1 milhão em melhorias na cidade. "Só quem vive aqui sabe a dificuldade que nós passamos, por isso sempre fui a favor dessa obra de Belo Monte", comenta ela.

No chamado Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável (PDRS) do Xingu, o governo prevê um investimento de R$ 2,5 bilhões na região durante a construção da usina, que tem previsão de ser concluída até 2019. Do consórcio Norte Energia, mais R$ 500 milhões deverão ser injetados neste mesmo período em ações socioambientais.

Com uma população total de aproximadamente 350 mil pessoas, os 11 municípios do complexo do Xingu deverão atrair cerca de 100 mil novos habitantes para a região. Para evitar conflitos fundiários, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) vai concentrar esforços na região para acelerar a regularização de terras. Parte das obras também envolverá a pavimentação da rodovia Transamazônica, pelo menos no trecho de 80 quilômetros que corta Altamira até o pequeno vilarejo de Belo Monte, na Volta Grande do Xingu.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Para 11 cidades afetadas, obra será "redenção"