Aquífero Guarani. Ações de proteção não estão acompanhando a exploração

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Junho 2011

O uso das águas subterrâneas em Ribeirão Preto é anterior à denominação "aquífero Guarani", aprovada em 1996 por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

A artigo é de Pilar Carolina Villar, advogada ambiental, doutoranda em ciência ambiental pela USP, pesquisadora da rede Waterlat e especialista em gestão ambiental pela Universidad San Pablo, Espanha, e publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, 19-06-2011.

Os primeiros poços documentados em Ribeirão datam de 1920 e 1927 e pertenciam, respectivamente, ao Mosteiro do São Bento e à Companhia de Cerveja Antarctica Niger S.A.

A exploração das águas do aquífero se intensifica progressivamente com o crescimento da cidade.

Atualmente, há em torno de cem poços dedicados somente ao abastecimento público e estima-se que a extração das águas supera 13 vezes a sua recarga. Dito isso, percebe-se que as ações para a proteção do aquífero não acompanharam o ritmo de exploração de suas águas, o que gerou um sério rebaixamento no seu nível hídrico na região.

O Projeto Aquífero Guarani, implementado em 2003, permitiu profunda discussão e incentivou melhoras na gestão das águas do aquífero - sobretudo no município.

Apesar disso, ainda há muito a fazer. Os principais desafios são encontrar estratégias de gestão que realmente promovam um uso mais racional do aquífero e desenvolver um modelo de uso e ocupação do solo na zona leste compatível com a existência de áreas de recarga.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquífero Guarani. Ações de proteção não estão acompanhando a exploração - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV