"A música sacra é um patrimônio universal. É preciso voltar ao canto gregoriano"

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Equidade de gênero: a religiosidade como caminho para igualdade. Debate com Antje Jackelén, arcebispa primaz da Igreja Luterana da Suécia

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Junho 2011

"Dramática, desesperada, insignificante". O maestro Pe. Pablo Colino não usa meias palavras ao descrever o estado de saúde das músicas executada hoje nas igrejas. Mesmo que, depois, ele indique que "ainda há a possibilidade de inverter essa perigosa tendência para baixo, potencializando o estudo da música sacra e dos cantos litúrgicos, a partir do gregoriano".

A reportagem é de Orazio La Rocca, publicada no jornal La Repubblica, 16-06-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Monsenhor Colin é universalmente conhecido como musicista e diretor de orquestra. Depois de anos de serviço no Vaticano, agora dirige o Coro da Filarmônica Romana. Uma autoridade, portanto, em matéria de música religiosa, há anos empenhado em "limpá-la" dos detritos que, na sua opinião, a comprometeram.

"Foi o Papa Bento XVI o primeiro a pedir isso e a acreditar nesse empenho", diz. "Muitas vezes, o pontífice me encorajou a ir em frente, porque a música sacra é um patrimônio universal, enraizado na mais genuína tradição litúrgica".

Eis a entrevista.

Maestro Colino, por que a música sacra e litúrgica está em crise?

Tudo decaiu depois do Concílio Vaticano II, com aquela onda superficial de pseudorrenovação que fez muitos danos em quase todas as nossas igrejas. Basta assistir a qualquer celebração litúrgica para ouvir violões horrivelmente mal tocados, teclados ensurdecedores e coros superficiais. Tudo dirigido por maestros pouco preparados. Embora não faltem exceções encorajadoras que, se cultivadas, poderiam ser um bom presságio para o futuro.

Poderia dar alguns exemplos?

Recentemente, em Terni, foi realizado um interessante encontro sobre a música sacra, e, na ocasião, foram exibidos muitos coros jovens e muitos grupos de artistas especializados em música litúrgica. Foi bonito e interessante ouvi-los. E também encorajador.

Mas há uma "receita" para relançar a música sacra?

É preciso voltar ao estudo sério, rigoroso e apaixonado nas scholae cantorum, nos conservatórios e, talvez, nas escolas. A música sacra é patrimônio universal, uma forma de arte entre as mais altas e imortais. E a Itália está repleta dela, depois de ter dado à luz os maiores autores de músicas litúrgicas.

E quais deveriam ser os programas nessas escolas?

É de fundamental importância voltar a difundir o conhecimento direto do canto gregoriano e, paralelamente, afinar a preparação de músicos, diretores de orquestras e de corais. Não se vai a lugar algum sem rigor didático e sem o conhecimento do canto gregoriano, a mãe da música sacra, mas ousaria dizer também de toda a música, até da contemporânea.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A música sacra é um patrimônio universal. É preciso voltar ao canto gregoriano" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV