"A justiça é só uma ação justa". A metáfora da flauta de Amartya Sen

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Ser cristão em tempos de violência. Padre Casimiro é assassinado brutalmente em Brasília

    LER MAIS
  • Por que universidades da Europa estão banindo carne bovina de seus restaurantes

    LER MAIS
  • Fracassou o ‘contra-sínodo’ sobre a Amazônia, programado em Roma por Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Junho 2011

O filósofo prêmio Nobel Amartya Sen analisa as ações positivas para combater a liberalismo global.

A análise é de Guglielmo Ragozzino, publicada no jornal Il Manifesto, 25-05-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Amartya Sen, prêmio Nobel de Economia de 1999, em visita a Roma na sua veste de filósofo moral, participou de um dia de estudo do SPI, sindicato dos aposentados da Confederação Geral Italiana dos Trabalhadores - CGIL, coordenado por Mario Sai.

Depois de uma introdução da secretária-geral do SPI, Carla Cantone, o grande estudioso indiano retomou a palavra, desenvolvendo os temas da sua "ideia de justiça". Seguiram-se as réplicas e os comentários de Ricardo Terzi, também dirigente do SPI; de Fabrizio Barca, economista e bom intérprete de sem; de Guglielmo Epifani, até há pouco tempo secretário-geral da CGIL e atualmente presidente da Fundação Bruno Trentin, defensor da universalidade dos direitos; e da socióloga Chiara Saraceno, que tem o argumento vitorioso de uma justiça muito parcial que até exclui as mulheres.

O grande público, composto principalmente de sindicalistas e aposentados, se manifestou por meio das intervenções e dos relatos de experiências "de mobilização sindical e de ação local para remediar as injustiças", desenvolvidos por expoentes locais do SPI. Sem respondeu a todas as intervenções, ao final de uma densa discussão sobre a justiça que colocava em prática as formas da democracia, feita de discussão e de participação que Sen nos ensina há alguns anos.

Por um curioso paradoxo, a alguns passos do Teatro Capranica da "Jornada de Estudos", ergue-se obscura a Câmara dos Deputados, iluminada apenas pelas bandeiras do referendo [sobre a água e a energia nuclear] que estavam à sua frente. Dois outras modos de fazer democracia: pouco distante da discussão entre um grande sábio e as pessoas informadas e generosas, prontas para aprender com ele, havia a propaganda e a participação aberta em vistas ao referendo e, por fim, a democracia um pouco asfixiada da maioria e dos decretos com confiança em anexo.

As três formas diferentes de democracia que se encontravam, tocando-se, no centro de Roma, eram um ponto de partida para entrar no espírito do discurso sobre a justiça de Sen. No centro da sua intervenção, a conhecida metáfora da flauta que Sen repetiu, se desculpando por não ter inventado uma nova.

Há três crianças que competem por uma única flauta. Uma diz: "A flauta é minha, porque só eu sei tocar". A outra objeta que a flauta é dela, porque ela é a mais pobre e não tem brinquedos. A terceira tem um argumento que parece muito forte: "É minha. Fui eu que construí".

Sen se serve da flauta e das posições A-B-C para nos fazer pensar. Ele combate – gentilmente –, como é o seu método, toda filosofia da justiça absoluta e perfeita que atribui a um modelo, ocidental mas não só, que se move de Hobbes para chegar a Rawls. As três posições têm uma forma de justiça a seu lado. É preciso escolher a menos injusta, a menos ofensiva, ou desenvolver mais um processo de aprendizado e de discussão.

E há no seu raciocínio um reenvio contínuo da elevada teoria ao mundo real da sociedade como ela é. A posição A – nobre – é a dos "utilitaristas" de todas as épocas e territórios. As outras duas, a B dos igualitários e a C dos "libertários", competem pelas escolhas socialistas. E Marx, de acordo com Sen, tendia pela posição B.

Mas Sen não se contenta. Sugere um método, uma técnica comparativa. Comparando as três soluções práticas de um problema de justiça, é possível encontrar uma posição ideal, descartar uma posição apressada e mais injusta. A justiça, se diria, também é parcialidade, confronto; não verdade inata e transcendente.

A justiça absoluta e transcendente tem, ainda, o defeito de ser nacionalista. É, de fato, muito difícil aplicá-la aos cidadãos dos outros mundos, como se fosse decisivo o fato de não ter estreitado aquele pacto primordial com o soberano do qual depende todo o curso seguinte da justiça e das liberdades individuais.

Sen tem palavras verdadeiramente especiais para descrever essa forma de justiça e de democracia do privilégio. De repente, as convicções internacionalistas de muitos de nós, de muitos do SPI e da CGIL, adquirirem uma força maior. É a força insuperável da sabedoria, da justiça benévola.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A justiça é só uma ação justa". A metáfora da flauta de Amartya Sen - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV