Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

A alta mortalidade de abelhas se deve a múltiplos fatores

A ideia de que um único fator estaria na origem do aumento da mortalidade de colônias de abelhas foi descartada, nesta segunda-feira, 6 de junho, após uma reunião organizada pela Rede Biodiversidade para as Abelhas e a ONU. A mortalidade das abelhas continua amplamente inexplicada, lembraram os especialistas e que seria melhor se concentrar na abordagem multifatorial para a compreensão do fenômeno. "O problema é complexo: há uma interação entre diferentes fatores, o que agrava o conjunto do fenômeno", resumiu Dennis Van Engelsdorp, pesquisador da Universidade da Pensilvânia e coordenador dos grupos de trabalho que estudam o fenômeno nos Estados Unidos.

A reportagem está publicada no jornal francês Le Monde, 06-06-2011. A tradução é do Cepat.

"Nós identificamos 64 variáveis diferentes, que vão desde pesticidas até a modificação genética passando pelos agentes químicos, mas não conseguimos encontrar "a’ solução", reconheceu Van Engelsdorp. "Na França, acreditava-se ter descoberto uma síndrome com a chegada ao mercado do inseticida Gaucho [Bayer] e outros pesticidas do gênero, mas dez anos depois ainda estamos enfrentando o mesmo problema", observou Philippe Lecompte, presidente da Rede Biodiversidade para as Abelhas.

Um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), de março passado, havia identificado uma dúzia de fatores que poderiam causar a mortalidade das abelhas, sobretudo nos países industrializados do Norte. Nos Estados Unidos, por exemplo, a situação é "dramática para os apicultores comerciais, que acusam uma perda de cerca de 33% das colônias", assegura Dennis Van Engelsdorp. Os estudos realizados por pesquisadores da Pensilvânia registraram "um elevado nível de fungicida no pólen com um efeito nefasto determinante para a produção de mel".

A partir de 2009, um congresso que reúne 500 cientistas especialistas em abelhas e 10.000 participantes chegou à conclusão de que o "matador" patenteado da abelha - vírus, parasita ou pesticida – não existia, fazendo emergir a teoria dos múltiplos fatores que agiriam isoladamente, mas também combinariam suas forças.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Namastê...
Parabens, precisamos muito de energias fraternas.
Abraços agroecológicos." Em resposta a: A humanidade como um fio da teia da vida
"Que testemunho! E que consciencia! Se for traduzido ao español, será muito útil e bem divulgado p..." Em resposta a: "Parem de idolatrar o padre"
"Muito bom esse artigo sobre Teresa Dávila. Através dessa mística muito se pode fazer pela mulher ..." Em resposta a: Teresa de Ávila e a dimensão humanizadora da espiritualidade cristã

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium