BNDES vai emprestar R$ 35 bilhões a setor sucroalcooleiro em quatro anos

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja precisa mudar a forma de escolher seus bispos

    LER MAIS
  • Após 11 anos, FMI ronda o Brasil a convite de Meirelles

    LER MAIS
  • Terceirização, uma solução de terceira para a economia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

06 Junho 2011

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai emprestar até R$ 35 bilhões a empresas do setor sucroalcooleiro nos próximos quatro anos. A previsão é do presidente da instituição, Luciano Coutinho.

A reportagem é de Vinicius Konchinski e publicada pela Agência Brasil, 06-06-2011.

Coutinho participou nessa segunda-feira da abertura de um congresso sobre etanol, em São Paulo. Lá, ele afirmou que o BNDES tem um plano de investimentos em usinas de açúcar e álcool. "Temos um forte programa de investimento e esse programa pode consumir, em crédito do BNDES, algo entre R$ 30 bilhões e R$ 35 bilhões nestes quatro anos, incluindo 2011", afirmou ele, em entrevista coletiva.

Segundo Coutinho, os empréstimos vão financiar principalmente a renovação das plantações de cana-de-açúcar do país. "Nos últimos anos, a falta de investimento fez com que a idade média dos canaviais aumentasse e houvesse perda de produtividade", explicou. "Precisamos acelerar os investimentos. A aceleração precisa começar com a renovação dos canaviais."

O presidente do BNDES acrescentou ainda que outras iniciativas serão apoiadas pelo banco. Dentre elas, a ampliação de usinas, a integração da rede de alcoodutos, a melhoria da logística do setor, entre outras ações. Para Coutinho, esses investimentos vão colaborar com o crescimento do setor sucroalcooleiro do país, freado pela crise econômica mundial de 2008. Ele disse também que os financiamentos serão decisivos para o Brasil esteja na liderança da produção e inovação do segmento da cana.

"Temos todas as condições de tomar a liderança no processo de desenvolvimento do etanol de segunda geração [produzido a partir da celulose]", disse Coutinho. "Não faltará apoio", destacou.

Só no ano passado, segundo Coutinho, o BNDES emprestou R$ 7,6 bilhões a empresas do segmento sucroalcooleiro. Grande parte disso, disse ele, foi usado na mecanização da colheita de cana-de-açúcar propriedades rurais do país.