"Não sei o que fazer", admite pesquisador

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • “O conteúdo e o sentido do trabalho são exigências de justiça social”. Entrevista com Alain Supiot

    LER MAIS
  • “Vacinas para todos!” Declaração da Pontifícia Academia para a Vida sobre as vacinas contra a Covid-19

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Junho 2011

O bacteriologista alemão Holger Rohde lidera o esforço científico para desvendar o que é, como funciona e como tratar o surto da bactéria Escherichia coli (E.coli).

Seu laboratório no Hospital Universitário de Hamburgo-Eppendorf (UKE), ao lado do laboratório de biotecnologia chinês BGI, foi responsável por identificar que o surto é provocado por uma variante híbrida e supertóxica da E.coli. O hospital centraliza o atendimento aos doentes.

Por isso, surpreende a sua sinceridade: "Meus amigos me perguntam o que fazer, e eu respondo: não sei".

A entrevista é de Carolina Vila-Nova e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 05-06-2011.

Eis a entrevista.

SITUAÇÃO ESPECIAL

Essa não é uma situação clínica normal, mas algo especial. Estamos combinando os dados clínicos com os moleculares para tentar em parte explicar por que as pessoas ficam tão doentes.

Uma bactéria tem de aderir a uma superfície para formar colônias. Normalmente, as bactérias que provocam diarreia acabam sendo "lavadas" do intestino.

Mas esta tem uma capacidade de aderência maior e, como possui vários genes de toxinas, as produz numa quantidade excepcional.

MEDICAÇÃO

Já vimos que os antibióticos não funcionam. Ao contrário, induzem as bactérias a produzir mais toxinas, piorando o quadro do paciente. No momento não temos um tratamento antibacteriano específico, apenas um tratamento sintomático e das complicações subsequentes.

A FONTE

Essa é a pergunta de US$ 1 milhão. Como não há tratamento específico, nossa melhor chance é isolar a fonte da bactéria. Mas não temos a menor ideia. Há evidências epidemiológicas, vindas dos questionários dos pacientes, que apontam para a ingestão de alimentos crus. É apenas uma hipótese epidemiológica. E é isso que está deixando as pessoas tão ansiosas: é muito difuso, e a bactéria pode estar em qualquer lugar.

ALIMENTOS CRUS

No começo, todo mundo estava dizendo, ok, é só uma diarreia. Mas agora temos a noção do perigo. Meus amigos me perguntam o que fazer e eu respondo: não sei. Não sei nem o que eu devo fazer. Agora parei de comer todos os tipo de vegetais crus, só como os cozidos.

DANOS IRREVERSÍVEIS

Sabemos que essas toxinas produzidas no intestino provocam disfunções renais severas [ligadas à síndrome hemolítico-urêmica, ou HUS, em inglês] e que não melhoram ao longo do tratamento.

Essas pessoas terão de fazer diálise para o resto da vida. Um alto percentual de doentes também mostra danos neurológicos, com quadros parecidos com derrame.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Não sei o que fazer", admite pesquisador - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV