Dilma critica programa de regularização fundiária

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco desafia Trump com primeiro cardeal afro-americano

    LER MAIS
  • Surgem provas de que o Vaticano censurou o Papa Francisco em 2019

    LER MAIS
  • Sem reformas, não somos mais Igreja. Entrevista com Martin Werlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Junho 2011

A presidente Dilma Rousseff disse, durante reunião com governadores da região da Amazônia Legal anteontem, que só um conjunto de políticas públicas na região poderá cessar de vez as mortes por conflitos agrários. Dilma também criticou o andamento do programa de regularização fundiária Terra Legal, criado pelo ex-presidente Lula há dois anos.

A reportagem é de João Carlos Magalhães e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 04-06-2011.

Segundo a Folha apurou, a presidente fez uma espécie de "mea culpa" da atuação do governo federal na área, dizendo que a atuação da União é historicamente falha na região.

Sobre o Terra Legal, que analisa dar títulos de terras a 180 mil ocupações na Amazônia (correspondentes a 6% do território nacional), Dilma afirmou que ele ainda está aquém do desejo do governo e precisa acelerar.

Há três meses, a Folha revelou que o programa havia cumprido apenas 1,1% da meta de entregar 50 mil documentos até o final do ano passado.

REGULARIZAÇÃO

A falta de títulos das propriedades rurais na Amazônia é um dos fatores estruturais da violência agrária na região, ao estimular a disputa pela terra. A função do programa de regularização fundiária seria justamente brecar esse fator.

A Folha não conseguiu falar com a assessoria do Ministério do Desenvolvimento Agrário sobre as críticas da presidente. Procurado, o Planalto não se pronunciou.

A reunião, na qual estavam também quatro ministros, foi feita para discutir as cinco mortes ocorridas no Pará (quatro) e em Rondônia (uma) de líderes extrativistas e trabalhadores rurais na última semana.

Depois do encontro, o governo anunciou a criação de uma ação policial na região para impedir novas mortes e encontrar os culpados pelas que já ocorreram.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dilma critica programa de regularização fundiária - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV