Do ponto de vista econômico, desmatamento é tiro no pé

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Mai 2011

"As mudanças propostas para o Código Florestal, além disso, retiram legitimidade da posição brasileira nas negociações internacionais sobre redução de emissões de gases do aquecimento global, justamente no Ano Internacional das Florestas", escreve Carlos Eduardo Young, economista da UFRJ, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, 24-05-2011.

Segundo ele, "o caso dos biocombustíveis é paradigmático: apesar do potencial brasileiro no setor, a persistência do desmatamento tem criado problemas para a aceitação do etanol e biodiesel no exterior, pois o comprador não sabe se esses produtos contribuíram, para o aumento das queimadas e derrubadas e, assim, das emissões de carbono".

Eis o artigo.

O argumento dos defensores das mudanças no Código Florestal é que, permitindo-se mais desmatamento, garante-se desenvolvimento. Contudo, as evidências vão em sentido contrário. A análise combinada dos dados de desmatamento e dos censos agropecuário e demográfico prova que o Índice de Desenvolvimento Humano não aumenta com mais desmate.

Também existem evidências sólidas de que o processo de desmatamento está associado a problemas de propagação de doenças, como a transmissão de malária, mal de Chagas e outras enfermidades contagiosas, e ao aumento da violência.

As mudanças propostas para o Código Florestal, além disso, retiram legitimidade da posição brasileira nas negociações internacionais sobre redução de emissões de gases do aquecimento global, justamente no Ano Internacional das Florestas.

O caso dos biocombustíveis é paradigmático: apesar do potencial brasileiro no setor, a persistência do desmatamento tem criado problemas para a aceitação do etanol e biodiesel no exterior, pois o comprador não sabe se esses produtos contribuíram, para o aumento das queimadas e derrubadas e, assim, das emissões de carbono.

O Brasil possui uma imensa riqueza florestal. Usar esses recursos no longo prazo, lembrando que os ativos naturais estão cada vez mais valorizados no tempo, é uma estratégia mais correta do que destruí-los em troca de retornos de curto prazo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Do ponto de vista econômico, desmatamento é tiro no pé - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV