Experiência nasceu na Cobrasma, em Osasco

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • Republicanismo, a doença infantil do neopetismo

    LER MAIS
  • “Igreja vê com muito sofrimento este momento triste do Brasil”. Entrevista com D. Roque Paloschi

    LER MAIS
  • ''O sexo é rebelde contra o homem assim como o homem a Deus''

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Abril 2011

Quando as tropas invadiram as metalúrgicas de Osasco (SP), em junho de 1968, para debelar as primeiras greves sindicais desde o início do governo militar, as primeiras experiências de comissões sindicais eram o centro do movimento. Fundada em 1965 pelo operário José Ibrahim, então com 18 anos, a primeira comissão de fábrica, na Cobrasma, em Osasco, ainda era ilegal. O Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco estava sob intervenção do regime militar. Ibrahim criou a comissão, que passou a representar os funcionários. A empresa o reconheceu em 1966 e, no ano seguinte, Ibrahim venceu as eleições no sindicato. Sob sua presidência, a categoria entrou em greve em junho de 1968.

A reportagem é de João Villaverde e publicada pelo jornal Valor, 13-04-2011.

"Paramos 22 mil trabalhadores em Osasco, onde já tínhamos desenvolvido uma série de comissões de fábrica, sendo três delas legalizadas, ou seja, reconhecidas pelas empresas como `braços` do sindicato para negociação direta", diz Ibrahim. As tropas do governo não só debelaram o movimento e afastaram os diretores do sindicato, como desativaram as comissões. Ibrahim ingressou na Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), movimento de luta armada, e foi preso em fevereiro de 1969. Ibrahim fez parte do grupo de 15 presos políticos liberados pelo regime em setembro de 1969, em troca da soltura do embaixador americano Charles Elbrick, sequestrado pelo grupo MR-8.

Sobre o modelo defendido atualmente pelos metalúrgicos do ABC, Ibrahim é direto: "Os sindicatos devem mesmo ampliar os canais de negociação direta com as empresas, mas o projeto, para ser ampliado, deve levar em consideração que a maior parte dos sindicatos não goza da mesma organização que eles."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Experiência nasceu na Cobrasma, em Osasco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV