Facebook em debate: três opiniões

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Se vocês se sentirem como eminências, estarão fora do caminho”. As palavras do Papa Francisco aos novos cardeais quando também condenou a corrupção na Igreja

    LER MAIS
  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Abril 2011

Publicamos aqui os depoimentos de três pessoas envolvidas com a cultura digital sobre o Facebook e as redes sociais, e sua relação com a vida da sociedade. As declarações foram publicadas no jornal La Repubblica, 09-04-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis os depoimentos.

"Parece que estamos em uma colmeia"

Jaron Lanier, autor de Gadget: Você não é um aplicativo (Ed. Saraiva, 2010)

"Conheço algumas diversas pessoas orgulhosas pelo fato de terem acumulado milhares de amigos no Facebook. Meu coração se despedaça quando falo com jovens cheios de vida que idolatram os ícones da nova tecnologia digital como o Facebook, Twitter, Wikipédia e os vários `mash-up` da cultura free/open/Creative Commons. Sempre me chama a atenção o estresse infinito ao qual se submetem. Devem administrar sem descanso a sua reputação online, evitando o olho maligno e onisciente da mente-colmeia que pode se fixar sem pré-aviso sobre qualquer um. Um jovem da `geração Facebook` que sofre uma humilhação online imprevista não tem saída, porque a colmeia é uma só.

* * *

"O Facebook ajuda os contatos reais"

Mark Zuckerberg, criador do Facebook

"Quando fundamos o Facebook, entendemos que, tomando como modelo as relações de amizade, poderíamos fornecer, via web, aplicações úteis para compartilhar informações, fotos, vídeos. Mas isso só acontece de verdade se as relações que se estabelecem forem reais. Nós não o pensávamos como uma comunidade. Acredito que há uma confusão em torno do que é verdadeiramente uma rede social. Muitas outras companhias caracterizadas como redes sociais têm objetivos diferentes. O que estamos tentando fazer é de tornar eficaz comunicar e compartilhar informações. Sempre buscamos colocar o acento no componente de utilidade".

* * *

"É o fascínio da promoção de si mesmo"

Zadie Smith, escritora. Seu livro mais recente é "Cambiare idea" Ed. Minimum Fax)

"Talvez toda a realidade se tornará como o Facebook: falsamente alegre, fingidamente amigável, astutamente calculadora e comprometida em se promover. Por todos esses motivos, abandonei o Facebook dois meses depois de ter me cadastrado. Como com todas as coisas que criam uma dependência, abandonar foi mais difícil do que começar. Eu mudava continuamente de ideia. O Facebook continua sendo a maior distração do trabalho que jamais existiu, e, por isso, eu o adorava. Quando um ser humano se torna um conjunto de dados em um site como o Facebook, ele se reduz. Todos os seus aspectos se restringem. O caráter. As amizades. A linguagem. A sensibilidade".

 


Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Facebook em debate: três opiniões - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV